fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Do Brasil até Portugal: uma “metamorfose ambulante”

É o país da feijoada, do samba, de Chico e Caetano, da alegria. O crescimento da migração do Brasil para Portugal tem sido evidente. Se antes eram os mais qualificados que tentavam a sorte na Europa, ultimamente, assiste-se a uma mistura de estratos sociais. E de culturas.

Texto de Redação

Yousef Alfuhigi via Unsplash

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Os números do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) garantem que a comunidade brasileira representa 31% da população estrangeira em Portugal. Uma imigração habitualmente muito feminina que está cada vez mais equilibrada na sua distribuição. Ultrapassada a desilusão com a habitação a preços elevados, as dificuldades em conseguir trabalho, os baixos salários e a inflação, os emigrantes dizem encontrar segurança no país mais ocidental da Europa. Apesar de ter descido três posições desde 2020, Portugal é sexto país mais pacífico do mundo, de acordo com o relatório Global Peace Index 2022.

O facto de se falar português nos dois países aumenta também o interesse destes emigrantes. A possibilidade de acesso a estudantes brasileiros, que não precisam de ter fluência noutra língua é um dos fatores mais atrativos para a população jovem.

“Coração de estudante” - Milton Nascimento

Os dados mais recentes da Universidade de Coimbra estimam que todos os dias circulam, nesta instuição de ensino, cerca de três mil brasileiros. Na sua esmagadora maioria são estudantes. Segundo as estatísticas oficiais do Ensino Superior, os brasileiros representavam um terço (32,8 %) dos 50 mil estudantes estrangeiros inscritos no ano letivo de 2020/2021.

Clara Nacle | Fotografia da sua cortesia

Clara Nacle tem 21 anos. Veio estudar Arquitetura para Portugal por ser “melhor do que no Brasil” e pela oportunidade de viver sozinha e fora do seu país. É de Brasília, a capital arquitetada por Oscar Niemeyer, região em que não existe tanta violência, mas onde, mesmo assim, “a realidade é completamente diferente”. Mesmo em níveis de ensino que não o superior, a diferença é evidente. “Andei em escolas privadas devido à falta de qualidade do ensino público”, refere. “Brasília é uma cidade parecida com Portugal no sentido em que é muito pouco caótica, mas, mesmo assim, não há tanta diversidade visual como aqui”, conta a estudante de arquitetura.

“Como é duro trabalhar” - Vinicius de Moraes e Toquinho

Jaime Schwingel tem 48 anos e vem do sul do Brasil, uma realidade, diz, “muito melhor do que a do norte e centro do país”. Como descreve: “O sul nunca teve muita emigração porque as condições de vida são melhores. Já se consegue arranjar trabalhos com uma média salarial maior do que o salário mínimo. São outras condições. Existem mais pessoas com um grau superior na educação, mais pessoas formadas em universidades e a mão de obra é muito mais qualificada.”

Mais de 20 anos volvidos num país que já é também seu, Jaime Schwingel reflete sobre o rumo que, na altura, não esperava que a sua vida seguisse. Veio para Portugal, como qualquer imigrante, à procura de melhores condições de vida, embora, na altura, não tivesse a pretensão de se estabelecer no país: “Pretendia ficar cá uns anos e ganhar algum dinheiro para poder investir no Brasil.” Mas o mar da oportunidade foi andando naturalmente. E Jaime é surfista.

Jaime Schwingel | Fotografia da sua cortesia

Conseguir trabalho não foi um problema. Os contactos que tinha em Portugal valeram-lhe essa segurança. “Eu já vim com trabalho que um amigo me arranjou e, consequentemente, já tinha casa”, conta. Agora, a realidade que encontrou quando pisou em Portugal já não existe. “Hoje em dia há uma dificuldade muito maior em arranjar casa e trabalho. Na minha altura, os alugueres eram muito mais baratos e o poder de compra era maior, trabalho e casas havia muitos.”

O maior problema na adaptação laboral foi o choque de culturas: “Eu trabalhava com o público e a língua foi um problema porque tive de aprender muitas palavras que fazem parte do dicionário, mas que nós lá não usamos e desconhecemos”, confessa.

Jorge e Conceição Francisco, respetivamente, de 69 e 70 anos, depararam-se com a questão inversa. Um casal de portugueses que emigrou para o Brasil e onde permaneceu durante quase 50 anos.

No Brasil, Conceição trabalhou como secretária executiva, numa empresa francesa, e Jorge começou por seguir a sua área de design ao trabalhar no departamento de marketing de uma firma norte-americana. Tudo isto antes de abrir a sua própria empresa. “Chegámos lá no fim da ditadura militar e, ao fim de cinco anos, comprámos o nosso primeiro apartamento, o que significava que estávamos a ganhar o suficiente para isso. Um ano depois, comprei o meu primeiro carro”, conta Jorge Francisco.

Recordam a revolução que levou à ascensão de Portugal e lembram a estagnação que se deu no Brasil na mesma altura: “Foi no pós 25 de abril que nós devíamos ter pegado nas nossas coisas e ter vindo para Portugal”. O casal não esquece o quão bem tratado foi quando chegou ao Brasil: “Já tínhamos direito a residência e ao visto de residência porque vínhamos de África. Os cargos de grandes empresas e de bancos estavam a ser preenchidos por retornados”, elucida Conceição. “Não foi porque vínhamos de Angola e Moçambique, mas sim porque éramos portugueses”, retifica Jorge.

A segurança do filho que têm em comum foi um ponto crucial no regresso: “O que nos fez também vir mais cedo foi o Diogo, devido à segurança que é péssima no Brasil”. O casal lembra ainda episódios de violência na cidade que escolheram para viver, o Rio de Janeiro: “Perdi duas motos à mão armada. O pior não é perder o carro ou a mota, é mesmo a vida.”

Devido ao momento político que se atravessava no Brasil e ao mau decorrer dos negócios, o casal decidiu antecipar o seu regresso a Portugal apesar de o seu objetivo ter sido o de permanecer no país Sul-Americano por mais tempo.

“O descobridor dos sete mares” - Tim Maia

A readaptação ao outro lado do oceano, deixado há tantos anos, não foi difícil. Talvez uma réstia de estranheza encanitasse e agitasse as suas antigas experiências: “Reparámos e criticámos certas coisas, mas dificuldades não. Eu já sabia para ao que vinha. Portugal está muito diferente, mas não ao ponto de fazer com que nos arrependêssemos de ter regressado.” Conceição Francisco salienta que “é preferível viver na sujidade, mas sem violência do que viver com medo constante de sermos assaltados”. A violência no Brasil é eclética, partilhada entre os bons e os maus bairros. “A violência lá está mais presente em zonas como a Tijuca, que é das mais caras, tanto que existem polícias particulares e armados à porta dos prédios e residências”. Em Vila Franca de Xira, onde agora moram, o panorama é diferente.

Jorge partilha, divertidamente, um ensinamento trivial: “O meu pai dizia que se passa a conhecer o grau de civilização do povo de um determinado país pelas suas atitudes no trânsito. A organização do trânsito aqui é muito melhor, sem comparação.” Nem tudo são coisas boas. “Os brasileiros não se queixam tanto. O português é um bicho muito queixoso. No Brasil, existem muitos pobres e, mesmo assim, são mais alegres do que muitos portugueses. Os brasileiros veem a vida de outra maneira”, acreditam.

Clara Nacle é brasileira. Num retrato geral, os portugueses não a olharam com preconceito. “Em relação às pessoas, nunca sofri nenhum tipo de preconceito, apesar de ser bem diferente, porque os brasileiros são muito mais calorosos e abertos. O máximo que já me aconteceu foi dizerem-me que eu era demasiado branca para ser brasileira.” No início, sofreu algumas dificuldades, mas “teve mais a ver com a época do que propriamente com o país”. Clara chegou no ano de eclosão mundial da pandemia de covid-19, em setembro de 2020. “Foi quando voltaram a abrir as fronteiras, mas ainda estava num limbo: as aulas na faculdade eram intercaladas e, em janeiro, voltou a fechar tudo. Era uma altura em que ainda me estava a adaptar a morar sozinha noutro país e a tratar das minhas coisas como cozinhar, que eu nunca tinha feito.”

“Não deixe o samba morrer” - Alcione

A cultura brasileira está já bastante presente em Portugal. As evidências mais gritantes estão na música, na dança e na gastronomia. Emigrar trouxe uma mudança recente para Clara. “Em Portugal, estou a dar muito mais valor à música popular brasileira e a perceber o quão incrível é”. Em relação à gastronomia, a jovem confessa preferir a comida brasileira, apesar de também gostar da portuguesa: “A comida brasileira é das coisas de que mais sinto falta.”

Jaime Schwingel vive em Torres Novas, onde a comunidade brasileira sempre foi reduzida: “Não há aqui nenhum bar ou músicas brasileiras. Em Lisboa, já se consegue estar mais diretamente ligado à cultura porque há uma comunidade muito maior de brasileiros. Nunca tive um grupo de amigos do Brasil em Torres Novas, apesar de conhecer um ou outro.”

“Política voz” - Barão Vermelho

Sobre um caso recente, o extremismo de Bolsonaro, a perspetiva do casal é de que “o Presidente não era de extrema direita: não fechou o Congresso nem a Câmara de deputados, não houve nenhum preso político e a imprensa era completamente livre”. Jorge afiança, convicto, que “em Portugal, tem-se uma ideia muito negativa do Bolsonaro por uma razão muito simples: aqui o governo é de esquerda.

Numa mesma posição, Jaime Schwingel afirma ter visto a reeleição do novo Presidente brasileiro “com uma perplexidade muito grande”. Compara a vitória de Lula com uma hipotética reeleição de José Sócrates em Portugal, personagem política à qual afirma ter dado o seu voto, tal como a Lula da Silva na sua primeira candidatura.

A reeleição deste Presidente não foi similarmente encarada por todos. Para Clara Nacle, Lula da Silva “é esperança”. Os governos dos dois presidentes são comparados pela jovem de 21 anos: “Sinto que, por mais que o Lula tenha roubado, ele, de facto, faz alguma coisa pelo país. Bolsonaro também roubou. O Lula é importante para as minorias, já que os conservadores no Brasil são de classe média-alta e não querem saber, porque não dependem das escolas públicas e têm dinheiro para pagar a saúde”.

“Volta” - O Terno

Um possível regresso ao Brasil é pensado de maneiras diferentes. Jaime encontra-se dividido. Gosta de viver em Portugal e sabe das dificuldades do seu país. “Tenho vontade de voltar um dia ao Brasil, mas não sei se e como me adaptaria depois de tantos anos em Portugal”.

Por outro lado, Clara tem as suas ideias bem assentes em relação a um possível regresso: “Acho que não volto para o Brasil. Já me acostumei muito ao estilo de vida de Portugal”, assegura a jovem.

Num país onde também já se prova pão de queijo quente em qualquer esquina ou se ouve funk em seja qual for a festa, é difícil sentir eterna saudade do Brasil. Até porque toda a gente sabe que a saudade é bem portuguesa.

*Esta reportagem foi escrita por Catarina Macedo e Cunha e Joana Sequeira Pratas, no âmbito da parceria com a ESCS Magazine.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

8 DE ABRIL 2024

A pobreza em Portugal: entre números crescentes e realidades encobertas

Num cenário de inflação galopante, os salários baixos e a crise da habitação deixam a nu o cenário de fragilidade social em que vivem muitas pessoas no país. O número de indivíduos em situação de pobreza tem vindo a aumentar, mas o que nos dizem exatamente esses números sobre a realidade no país? Como se mede a pobreza e de que forma ela contribuiu para outros problemas, como a exclusão social?

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0