O DocLisboa, em conjunto com o Festival Impulso e o Mestrado em Artes do Som e da Imagem da ESAD.CR, apresenta um ciclo mensal de cinema que se prolonga até dia 21 de abril. Os filmes que compõem o programa constroem olhares sobre paisagens diversas, os subúrbios de uma cidade, o deserto entre fronteiras ou as emoções que crescem entre quatro paredes.

Tendo-se iniciado a 20 de janeiro com Wrecking Clementine de Cláudia Gonçalves, Fernandes e Miguel Grazina Barros, 2020, o filmes português abriu o ciclo. Seguiu-se O Primeiro Passo da Melomania é uma Birra de Guilherme Sousa, também do ano de 2020. A abertura contou ainda com a presença dos realizadores.

Partindo de uma ideia "de viagem permanente, um movimento constante pelo espaço ou tempo, pelo mundo ou pela mente", como se lê em comunicado, o ciclo abre a sua bagagem para a construção de pensamentos sobre as consequências de grandes movimentos, como revoluções e migrações.

Com entrada livre, a programação acontecerá um vez por mês, até dia 21 de abril:

  • 18 de fevereiro - Desterro de Maria Clara Escobar, 2020, Brasil, Portugal, Argentina
  • 25 de março - Yoon de Pedro Figueiredo Neto, Ricardo Falcão, 2021, Portugal
  • 21 de abril - Sessão Actos de Escuta com Kits Beach Soundwalk de Hildegard Westerkamp, 1989, Canadá; Listening de Mike Hoolboom, Heather Frise, 2021, Canadá; Ópera dos Cachorros de Paula Gaitán, 2020, Brasil, Sounds from Beneath de Mikhail Karikis, Uriel Orlow, 2012, Reino Unido.

As sessões, na sua maioria, terão a presença dos realizadores. Podes consultar mais sobre a programação, aqui.

Texto de Patrícia Silva

Fotografia via Unsplash