Na sua 17.ª edição, o Festival Internacional de Cinema Doclisboa apresenta uma seleção de 33 filmes na secção Verdes Anos, onde se insere pela primeira vez o Prémio Pedro Fortes, em homenagem a um dos elementos da equipa do festival, que morreu este ano.

Este ano, a secção Verdes Anos arrancou com Thirty, de Simona Kostova, uma produção da Academia Alemã de Cinema e Televisão de Berlim (DFFB). Esta escola é também a instituição convidada da secção, onde serão exibidos filmes que traçam um caminho pelos seus 50 anos de existência. Além disso, nesta edição, a parte competitiva dos Verdes Anos abre-se a produções europeias, mostrando os olhares dos novos realizadores do continente.

No que toca à representação portuguesa, a secção conta seis filmes realizados em Portugal, sendo que todos serão apresentados em estreia mundial. São eles: Simulacro, Duarte Maltez; Casa na Praia, de Teresa Folhadela; Rio Torto, de Mário Veloso; There’s Margin, de Filipe Oliveira; Para o Francisco, de Rodrigo Pedro; e ainda When Your First Son Gets Up To No Good, de Jacob Oduwole.

Recorde-se que o Doclisboa encontra-se a decorrer até ao próximo dia 27 de outubro, ocupando as salas de cinema do São Jorge e Ideal, Cinemateca Portuguesa e Culturgest. Na sua 17.ª edição, o festival mostra um total de 303 filmes, 44 deles portugueses.

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia de Augusto Oazi via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.