Num misto de evento presencial e online, a Drawing Room Lisboa regressa entre 27 e 31 de outubro para realizar esta que é a sua 4ª edição. 27 galerias de arte vão representar mais de 70 artistas portugueses e internacionais na feira que decorre na Sociedade Nacional das Belas Artes, em Lisboa.

No programa está prevista a participação de 16 galerias portuguesas, “uma selecção da responsabilidade de Mónica Álvarez Careaga, diretora da Drawing Room Lisboa, e do Comité Consultivo da Feira”, de acordo com comunicado enviado ao Gerador.

Filomena Soares, Pedro Cera, 3+1 Arte Contemporânea, Bruno Múrias, Miguel Nabinho de Lisboa, Pedro Oliveira, KubikGallery, Presença, do Porto, ou ainda Fonseca Macedo - Arte Contemporânea, dos Açores, são alguns dos nomes que compõem a lista.

Este ano a participação de galerias estrangeiras cresceu, o que, para a organização do evento, constitui “uma prova da consolidação da notoriedade da Drawing Room no circuito internacional dos mercados de arte”. À representação portuguesa, juntam-se, assim, oito galerias internacionais, nomeadamente a F2 Galería, Galería Silvestre e a Martínez & Avezuela, de Madrid, a Wadström Tönnheim Gallery, sediada em Marbelha, Espanha e Malmö, na Suécia ou a Granada Gallery, de Buenos Aires.

Além disso, está ainda programado um foco especial sobre o contexto artístico da cidade de Berlim, comissariado por Jan-Phillip Fruehsorge, com a presença de três galerias alemãs: Anaid Art Gallery, Lage Egal, ambas de Berlim e Kristin Hjellegjerde, com sede em Londres, Berlim e Nevlunghavn, na Noruega.

As candidaturas para as galerias que pretendam estar presentes na plataforma digital da feira, a Drawing Room Store, estão abertas até ao dia 15 de setembro. De acordo com a organização “cada galeria pode inscrever até 8 artistas e 40 obras para constar nesta exposição virtual, que fica patente entre 14 a 31 de outubro e permite que coleccionadores e visitantes possam explorar e adquirir esta selecção de obras paralela”.

Uma das novidades deste ano é o Prémio FLAD Desenho 2021, valor de 20.000€, que será entregue a um artista com trabalho exposto na feira, numa iniciativa da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento.

No seguimento de uma parceria iniciada com as Belas-Artes e a Ar.Co, vai também decorrer, paralelamente, a iniciativa Desenhos na Cidade, que pretende "mostrar as obras dos alunos finalistas de desenho de ambas as instituições, na rede de mupis da capital”.

A Drawing Room Lisboa afirma-se como “um contributo na criação de oportunidades para a classe artística dedicada ao desenho e na afirmação do espaço que o desenho pode ocupar no sector da arte contemporânea”. Segundo informação divulgada em comunicado, o evento tem vindo a conquistar um apoio crescente por parte das instituições, museus e centros de arte, galerias, colecionadores e outros profissionais, o que mostra que “tem vindo a ganhar relevo na cena artística contemporânea”.

A organização sublinha ainda que quarta edição da Drawing Room Lisboa decorrerá seguindo todas as diretrizes emitidas pela Direção-Geral de Saúde. O programa completo está disponível na página oficial do evento.

Texto por Sofia Craveiro
Imagem (cedida pela organização): Brigida Machado, Doubles, 2018

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal clica aqui.