fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

É necessário cuidar / é necessário assumir responsabilidade

Nas Gargantas Soltas de hoje, Noa Brighenti fala sobre as políticas de memória instituídas em Portugal e da sua influência na construção de uma suposta memória coletiva da qual muitas perspetivas foram apagadas, defendendo a necessidade de assumir responsabilidade para com o passado e o futuro, bem como para com o papel da cultura e da arte neste âmbito.

Opinião de Noa Brighenti

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Nestes dias pós-eleitorais é fácil encontrar quem se proponha explicar o porquê da ascensão da extrema direita em Portugal. Muitas vezes, porém, despindo-se de culpa, a dita “oposição” fá-lo apontando o dedo a um tu — culpado — que lhe é distante.

Assim, fingindo que o eu nunca se merge no tu e afirmando que o tu é o problema,insiste num pensamento binário e beneficia dele por este lhe permitir, também, rejeitar a sua própria responsabilidade. Na verdade, foi este medo de assumir responsabilidade —  traduzido num passar da batata quente — que nos trouxe até aqui.

Somos todos coletiva e individualmente responsáveis pelos resultados eleitorais, e somo-lo por aceitarmos (ou não rejeitarmos) as políticas de memória instituídas em Portugal: os discursos e práticas através dos quais é decidido onde, como e em que condições alguém ou algo é lembrado ou esquecido. Estas, insistindo em narrar uma suposta memória coletiva da qual muitas perspetivas foram apagadas, romantizam o passado tornando-o fácil de digerir e ignorando (ou escondendo) que o povo português é, na sua maioria, beneficiário das atrocidades cometidas.

Vemo-lo, por exemplo, na estátua do Padre António Vieira presente no Largo Trindade Coelho que, através da paternalização, infantilização e negação da resistência dos povos indígenas, representa António Vieira rodeado por três crianças ameríndias que guia, disciplina e pune enquanto figura paternal, contando o imaginário de um colonialismo benigno.

Nunca tendo ocorrido uma verdadeira reconciliação com o passado, estas políticas criam uma memória competitiva, transmitindo a ideia errônea que as diferentes memórias se excluem mutuamente da esfera pública, como explicado por Michael Rothberg. Aceitando a predominância de uma determinada classe, grupo ou etnia na constituição da memória coletiva, negam a legitimidade dos restantes para serem sujeitos históricos, não conferindo às suas memórias o mesmo cuidado e consideração. Em suma, restringem o direito à memória e o direito à verdade histórica.

A arte e a cultura, neste âmbito, têm colmatado aquilo que as políticas da memória se recusam a fazer. Enquanto linguagem, expõem um relato de experiências alternativo, permitindo a reparação e a superação do trauma através do diálogo e abrindo esse mesmo diálogo a uma contra-história. Mas isto não basta. E mais, não basta que aconteça apenas nas margens do olhar público.

A extrema direita cresce na falta de pensamento crítico e na falta de cuidado —  de nós pelos outros e dos outros por nós. Cresce, portanto, no pensamento binário que nega as interrelações da coletividade e as complexidades práticas e histórico-culturais que influenciam os processos de tomada de decisão.

É necessário reestruturar os nossos espaços culturais para que promovam uma outra forma de narrar a História. Muitos deles ainda vêem e expõem a cultura como pré-definida, governada por poucos e aberta a muitos. É necessário parar de falar de e abrir as portas à democracia cultural que, ao invés, apresenta a cultura como indefinida, um estado em que todos são habilitados a participar enquanto parte ativa na construção da cultura coletiva.

Face ao futuro que se avizinha de nós é urgente, mais que nunca, cuidarmos uns dos outros e instituirmos uma política do cuidado e da não-violência entre as forças democráticas.

Aproximando-se as eleições para o parlamento europeu, é urgente trazer para o discurso político um diálogo mais amplo e responsabilizarmo-nos perante ele, cuidarmos das suas memórias. É também urgente votar em quem salvaguarda a cultura e os artistas e assim protege estes espaços de partilha.

Citando o manifesto ReConstituição Portuguesa, “A cada página, um corpo, um trauma, uma voz diferente. Uma colcha de retalhos composta por gritos, ora de indignação, ora de dor, mas sempre de liberdade. Se celebrar a Revolução de Abril sempre foi importante, em tempos de ameaça à democracia por parte da extrema-direita torna-se fundamental”.

-Sobre a Noa Brighenti-

Noa Brighenti, aos 22 anos, navega entre duas dimensões distintas: o seu percurso académico no mundo jurídico e o seu envolvimento em várias equipas e projectos artísticos e culturais.
Aluna finalista na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e pós-graduada em Direito da Igualdade, dedica-se a explorar a influência recíproca entre estas duas dimensões e o seu impacto coletivo na sociedade. Nos seus tempos livres, coleciona gatos e perguntas, passeia, pinta e lê. Gosta de escrever, é a sua linguagem.

Texto de Noa Brighenti
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0