fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Editorial – Conhece um pouco mais sobre a Revista Gerador 43

Onde um membro do Gerador te fala um pouco mais sobre este número.

Texto de Tiago Sigorelho

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Agora é chegar a três dígitos

Esta revista, a quadragésima terceira que publicamos, tem algo de especial. Na verdade, todas são especiais, diz um dos progenitores orgulhoso. Mas esta chegou a um daqueles momentos em que a vaidade nos transborda. Apesar de esta edição ter sido lançada em março, é com ela que se festeja os 10 anos do Gerador, no dia 27 de maio de 2024.

Celebrar 10 anos de vida não é mais extraordinário do que comemorar 9 ou 11. É só um número certo. Nós, sociedade, temos tendência para números certos, para fugir aos ímpares, para enfatizar algarismos que acabam em zero. Gostamos das coisas arrumadas e de certa forma previsíveis. Dá-nos uma certa tranquilidade.

O Gerador tem tentado ser o contrário. Uma entidade desanrajada, disruptiva, adaptável. Que gosta de experimentar, de arriscar e de fazer pontes entre margens vertiginosas. Que valoriza o tempo quando a rapidez reina. Exalta a lentidão, porque dela necessitamos para escrutinar uma sociedade em transformação. Mas não deixamos de gostar de celebrar marcos. E a chegada a dois dígitos é mais do que um simples número certo.

Uma década disto é a convicção de que estamos a fazer algumas coisas bem. Continuamos a acreditar, desde o primeiro dia, que nos cabe a responsabilidade de abrir caminhos para que mais pessoas tenham acesso a jornalismo, cultura e educação de qualidade. Estamos iludidos sobre a importância destas três ferramentas para construirmos uma comunidade mais criativa, crítica e participativa. Não somos fãs do determinismo e confiamos na possibilidade das pessoas se reinventarem, para estarem mais preparadas para os desafios do futuro.

Nós próprios somos um símbolo dessa metamorfose. Fomos aprendendo a fazer jornalismo de forma mais consequente, reformulámos a nossa estrutura interna para dar mais tempo e espaço ao trabalho editorial, exploramos temas que outros órgãos de comunicação social têm dificuldade em abordar, pela pressão do instantâneo. Fomos aprendendo, também, com muitos parceiros, nacionais e internacionais, que nos ajudam a melhorar e, até, a encontrar novas formas de sustentabilidade financeira.

Talvez essa seja a única constante no nosso trabalho desde o dia em que nascemos. Hoje, como há 10 anos, temos de, continuamente, descobrir novos e intrincados formatos para financiarmos a nossa atividade. Infelizmente, temos a sensação de que cada vez é mais complexo. Há menos entidades, públicas e privadas, interessadas em apoiar jornalismo, cultura e educação. Por isso dependemos mais de ti, caro leitor.

Com esta revista iniciamos, também, uma nova fase. Passamos a centrar-nos essencialmente em grandes reportagens que demoram muitos meses a ser preparadas e que irão continuar no nosso site por outros meses a seguir. Estas investigações jornalísticas são profundas, detalhadas, amplas e, idealmente, consequentes, que possam contribuir para soluções. Serão poucas, mas boas, esperamos nós, sempre feitas por uma equipa multidisciplinar.

Arrancamos com um grande trabalho das jornalistas Flávia Brito e Sofia Craveiro sobre a pobreza em Portugal, maravilhosamente ilustrado pela Pri Ballarin e com a contribuição de mais 6 pessoas, entre edição, comunicação e digital. Este primeiro texto, de um conjunto de mais 5 que irão ser publicados nas próximas semanas no nosso site, explora a indefinição e variabilidade do conceito de pobreza, tornando difícil a procura de respostas efetivas.

A investigação que ocupa a capa vai, no entanto, para o trabalho feito pelas jornalistas Débora Cruz e Sofia Matos Silva sobre o abuso de poder no ensino superior, com igual contribuição de mais 7 pessoas. Há cerca de um ano, começámos a desenhar esta grande reportagem que se propõe aprofundar as razões deste problema estrutural que atinge estudantes, investigadores, docentes e quadros. Estaremos a preparar pessoas que se habituam a conviver com o abuso?

Destaco, também, as reportagens sobre as dificuldades da escola pública para integrar estudantes não nativos em português e a conclusão de que apenas 13 % dos sites da administração pública cumpre a lei em termos de acessibilidade web. Contamos, ainda, com a habitual qualidade opinativa dos nossos cronistas e três incríveis obras: uma gráfica, pela Marta Nunes, a fotográfica, da lente da Matilde Travassos, e a literária, do Roberto Saraiva.

Boas leituras geradoras!

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

18 Junho 2024

Tirar a cabeça da areia

18 Junho 2024

O argumento romântico para a participação política

17 Junho 2024

A luta contra o assédio: movimentos estudantis fazem frente à “inércia” das instituições

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0