fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Eles querem-nos na guerra

Nas Gargantas Soltas de hoje, João Teixeira lopes insurge-se contra a mentalidade da guerra infinita e a recente tentativa de introduzir a inevitabilidade do serviço militar obrigatório, lembrando Boris Vian e José Mário Branco.

Opinião de João Teixeira Lopes

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Que fique claro, para início de conversa, que defendo o direito à resistência armada perante a ocupação externa ou a implantação (interna e/ou externa) de um regime opressivo e ditatorial. Como defendo, no quotidiano, a necessidade de não assistirmos passivamente à exploração, à micro-violência (doméstica, homofóbica, transfóbica), à humilhação ou ao apagamento social e simbólico. Quem tem recursos para o fazer deve defender-se e proteger os outros. A vida é feita de conflito entre quem quer e pode impor-se e os demais. Nada em mim apela à comiseração, ao miserabilismo disfarçado de apatia ou indiferença, à cumplicidade com a ordem.

Mas não aceito a retórica belicista que, em doses progressivas, para estranharmos mas entranharmos, nos acena com a inevitabilidade do estado de guerra. É claro que, de certa forma, essa guerra é permanente e infinita, pois nada pode travar a incessante acumulação capitalista (daí a guerra contra as pessoas – as que resistem à exploração e à opressão, as que são improdutivas, as descartáveis, as não normativas), contra as espécies não-humanas, contra a natureza ou contra os saberes não domesticáveis. Nada impede essa guerra ubíqua e dissimulada, a não ser o colapso do próprio capitalismo ou a eliminação do que o sistema considera como resíduo ou obstáculo (o planeta, no final da cadeia de eliminação).

Sou da primeira geração que usufruiu da liberdade de não “ir à tropa”. Muitos dirão que foi uma “experiência porreira”, de sociabilidade intensa e com estórias para contar. Que estranha narrativa, de armas na mão, numa sociedade de homens, rituais jactantes, hinos e bandeiras. Que perda de tempo e que violência para tantos, sem nunca esquecer os que ainda combateram na guerra colonial. 

Bem sei que dá jeito unir pela pátria, esquecendo as divisões internas (e as injustiças, os abusos, as desigualdades). Os generais e especialistas de pacotilha já substituem o “militar” pelo “cívico” ou “de cidadania”. O militarismo foi sempre uma alienação das classes trabalhadoras, fazendo-as lutar com os seus irmãos de classe do outro lado da fronteira. Pode ser, ainda, um último recurso da ameaçada masculinidade hegemónica (vigente, no seu modelo, mesmo que se recrutem mulheres). Que atraso seria, que traição a abril, nestes 50 anos, 50 cravos por semear, em favor da paz. 

Pela paz se pega em armas, dizia o desertor do poeta e cantor francês Boris Vian, desafiando o Presidente da República que o convocou para a guerra (poema que José Mário Branco traduziu para português e que cantou vezes sem conta durante a guerra colonial):

“diga aos seus generais
que eu não faço essa guerra
porque eu não vim à Terra
pra matar meus iguais”

Fica o aviso às novas brigadas do reumático. 

-Sobre João Teixeira Lopes-

Licenciado em Sociologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (1992), é Mestre em ciências sociais pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (1995) com a Dissertação Tristes Escolas – Um Estudo sobre Práticas Culturais Estudantis no Espaço Escolar Urbano (Porto, Edições Afrontamento,1997). É também doutorado em Sociologia da Cultura e da Educação (1999) com a Dissertação (A Cidade e a Cultura – Um Estudo sobre Práticas Culturais Urbanas (Porto, Edições Afrontamento, 2000). Foi programador de Porto Capital Europeia da Cultura 2001, enquanto responsável pela área do envolvimento da população e membro da equipa inicial que redigiu o projeto de candidatura apresentado ao Conselho da Europa. Tem 23 livros publicados (sozinho ou em co-autoria) nos domínios da sociologia da cultura, cidade, juventude e educação, bem como museologia e estudos territoriais. Foi distinguido, a  29 de maio de 2014, com o galardão “Chevalier des Palmes Académiques” pelo Governo francês. Coordena, desde maio de 2020, o Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Texto de João Teixeira Lopes
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0