Nos dias 11, 12, 18 e 19 de setembro, o festival TODOS - Caminhada de Culturas vai acertar o mundo em Santa Clara, trazendo música, teatro, dança, novo circo, exposições, visitas, oficinas e comida de todo o mundo.

Em 2009, nasceu um festival com vista à destruição de guetos territoriais associados à emigração, num convite ao público para conviver entre culturas de todo o mundo, na capital portuguesa. O TODOS - Caminhada de Culturas celebra Lisboa como cidade intercultural através das artes performativas contemporâneas - espectáculos de Música, Teatro, Dança, Novo circo, mas também exposições de Fotografia, Visitas Guiadas, Comidas do Mundo e Oficinas, entre outros.

Promovido entre a Academia de Produtores Culturais e a Câmara Municipal de Lisboa, este ano, o TODOS escolheu Santa Clara e o digital - através do #TODOSemlinha -,para celebrar a sua missão. "Santa Clara, a jovem freguesia de Lisboa criada em 2013, que chamou a si os antigos fregueses da Charneca e da Ameixoeira, é o novo território para o TODOS continuar a sua caminhada intercultural pela cidade. Rica em História e em estórias, que nalguns locais nos conduzem até ao Paleolítico, Santa Clara é um território-potência de possibilidades futuras diversas, tantas quantas as gentes que por lá vivem, oriundas de várias partes de Portugal e do Mundo.", conta a organização no website do evento, desvendando algumas coisas que se escondem nessa zona de Lisboa - "Palacetes e quintas românticas, moradias e condomínios fechados, coexistem com hortas, bairros remediados e bairros sociais limpos e cuidados. O silêncio dos campos deixa-nos escutar o grasnar dos gansos, o balido dos rebanhos, o relinchar dos cavalos, mas também as marteladas provindas das inúmeras oficinas de bate-chapas".

Em 2021, o programa chama-se TODOS 2021 e traz um conjunto de espetáculos, exposições, passeios, visitas, experiências e workshops, ao vivo e por via digital que, mais do que eventos e experiências, são pretextos para o convívio, para a descoberta e para a relação, segundo a organização, "um modo de nos acertarmos em 2021 com o Tempo da Verdade que existe na diferença, que nos resgate aos preconceitos e nos permita em 2022 viver um Tempo de Transformação, e em 2023 «amar como a estrada começa» num Tempo de Esperança."

No teatro, a programação conta com espetáculoo como, Ao abrigo da distância, de Rui Catalão, o teatro documental Perfect Match, de André Amálio e Tereza Havlíčková, Aurora Negra, de Cleo Diára, Isabél Zuaa e Nádia Yracema, Com Paixão, do Teatro Ibisco, entre outros. Na música, Orquestra Todos, Kriol, Estraca, Diego El Gavi, o Coro Infanto-Juvenil da Universidade de Lisboa, Eneida Marta e um Concerto de Órgão. Também o circo contemporâneo tem espaço no TODOS, não fosse a antiga Feira da Charneca, hoje Jardim do Campo das Amoreiras, palco de saltimbancos - Amoukama Circus, L'Autre (O Outro), da Companhia O Último Momento, e a Orquestra de Malabares, que une Pistacatro e a Banda Musical e Artística da Charneca, vão trazer fantasia e magia a Santa Clara.

TODOS é um festival de partilha, por isso, o festival e a Associação Lugar-Comum trazem um espetáculo comunitário, Mágua di nôs e ainda A Céu Aberto, um lugar-espetáculo criado a partir das memórias da comunidade da Charneca sobre o Cine-Estrela. Joana Brito Silva leva-nos num percurso encenado, propondo um reconhecimento mais aprofundado do território e das comunidades que habitam o Bairro das Galinheiras e da Quinta do Reguengo, com Bate-Estradas. O festival leva-nos ainda numa descoberta por Santa Clara com Visitas Guiadas, Reflexões e Inspirações, Workshops e Culinária para Todos.

Para quem quer mergulhar no festival através do online, o canal de comunicação audiovisual do TODOS, terá vídeos, espetáculos e conteúdos exclusivos do TODOS 2021, para acompanhar através da hashtag #TODOSemSantaClara ( no Facebook, Youtube e Instagram) ou a partir do site, no separador da programação #TODOSemlinha2021. O programa online conta com visitas guiadas a três instituições relevantes para a História do território de Santa Clara: a Academia de Música de Santa Cecília, a Banda Musical e Artística da Charneca e o Palácio da Quinta Alegre, e ainda uma visita às hortas de Santa Clara, com Boas Terras. Será ainda possível acompanhar os concertos da Orquestra de Malabares no dia 12 de setembro, e de Diego El Gavi, no dia 18 de setembro.

Programa completo disponível, aqui.

Texto por Patrícia Nogueira
Fotografia disponível via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre cultura em Portugal, clica aqui.