A revista FOmE, um projeto de Margarida Mata e Pedro Faria Cunha, inaugurou no passado dia 28 de março a sua plataforma online. Com um site vem também um bónus: uma edição cor-de-rosa “que nasce em tempos cinzentos”.  

A FOmE tem como base dois conceitos primordiais: ser uma galeria em papel e tornar o underground acessível. Nesta fase a galeria não pôde estar no papel, mas encontrou no online uma solução provisória. É, aliás, possível descarregar o volume V em alta e baixa qualidade através do site

No editorial que assinam nesta edição explicam que a galeria em papel que se propuseram a “inaugurar a cada três meses é, neste volume V, uma galeria digital”. “Não é um desvirtuar da nossa missão ou princípios, é sim uma adaptação imposta pelo momento que vivemos”, dizem. Deixam ainda uma nota “sobre o período cinzento escuro que vive este grupo [artístico] já de si tão frágil” e sublinham que foi precisamente por terem “consciência da fragilidade dos artistas emergentes” que não cancelaram esta edição.

A FOmE V reúne Rita Melo, Joana Vieira de Castro, Filipe Felizardo, Sérgio fernandes, Pitanga, Vitó, Flix, Katherine Chacon, Tiago Vieira, David Romão, a associação Ephemera, os estúdios PADA, o coletivo SPA e o coletivo CAFI.  Como nas edições anteriores, é possível que encontres sugestões musicais para acompanhar as leituras e um mergulho nas obras. 

No site da FOmE podes perceber melhor em que consiste o projeto, quais são os seus objetivos e comprar edições anteriores. Podes navegar neste universo tão amplo e coerente à distância de um clique. Também podes seguir a FOmE através do Facebook e do Instagram.

Texto de Carolina Franco
Ilustração de Pedro Faria Cunha
A Revista FOmE e o Gerador são parceiros
Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.