Aqui estamos nós, será que vamos “desconfinar” ?

Ou o pesadelo continua, acabaram as moratórias e dizem que tudo irá voltar ao normal, o que vejo é todo um sistema que colapsou a trazer à tona todos os dramas e toda a sujidade que estava escondida durante este segundo confinamento.

Mas não vamos perder a esperança e, acima de tudo, é importante reinventarmo-nos e adaptarmo-nos a esta nova realidade, como se fossemos sobreviventes de uma grande guerra.

O ser humano é um ser incrível e de fácil adaptação  e esta grande guerra contra este inimigo invisível veio mostrar isso mesmo, foram milhões os que ficaram sentados no sofá a receber o seu ordenado certo, sem falhas, enquanto faziam scroll nas redes sociais, mas também foram milhões os que foram atrás e durante esta pandemia, se formaram, especializaram, fizeram network e dentro das limitações abriram negócios.

Novas marcas de roupa, formações com especialistas em diferentes áreas, novos restaurantes, novas plataformas de informação, foi um pouco de tudo, e cada negócio adaptado à plataforma onde estava a ser comunicado, podia ser ela Instagram, Facebook ou YouTube, sendo as duas primeiras aquelas onde foi visto o maior número de novos negócios a surgir.

Vimos muitas pessoas de etnia cigana em força no Facebook a fazer vendas em direto. O que parecia amador no início, ganhou uma nova força com os investimentos feitos em luzes, melhores telemóveis e a preocupação com o cenário.

Todo um novo sistema que faz questionar muitos vendedores sobre a volta  às feiras, o futuro dizem que é isto, o mundo digital.

Na alimentação percebemos que muitas pessoas da área da restauração meteram as mãos na massa e, em casa, aplicaram tudo aquilo que faziam no trabalho, vimos nascer todo o tipo de negócio, uns com take away outros com todo um esquema bem montado de entrega , perdi a conta aos negócios de cozinha Africana que vi, vários com entregas em formato brunch com a maravilhosa cachupa ou o funge Angolano que todos querem provar.

Para muitos isto foi uma espécie de pop Up shop, onde deixaram marcado o nome, a qualidade, e quem sabe agora a possibilidade de abrir um espaço físico será mais fácil, eu com toda a certeza seria cliente porque experimentei coisas  muito boas.

Dentro da roupa vi alguns negócios, mas penso ser uma área mais difícil de haver uma afirmação tendo uma Zara ou H&M com bons saldos e a fazer entregas em 24 horas.

Mas como é óbvio não vi só bons negócios nascer, com a facilidade dos tempos, a facilidade da tecnologia, o poder de criar algo abençoa mais pessoas, e, como é óbvio, muitos negócios estranhos. Foi o tempo da invasão dos especialistas em forex que em troca de algumas centenas de euros mostram o caminho para a felicidade, negócios de comida feitos por pessoas que cozinhar não é o seu forte, ou vendas online de lojas que fecham depois de acumular um grande valor de encomendas já feitas. Acredito que se for feita uma pesquisa é provável um maior número de feedback negativo do que positivo sobre esta nova vaga de negócios.

Mas é claro um grande aumento de homens e mulheres de negócios, que com o encaminhamento certo e consultoria indicada podemos ver o nascer de grandes negócios, por isso se estás a começar um novo negócio há muito que podes fazer usando apenas o teu telemóvel, são milhares os programas que ajudam numa melhor gestão, ouvir os podcasts de empreendedorismo penso que ajuda muito , nem tudo é de fiar mas há pessoas a fazer muito bom conteúdo que se fosse a pagar iria valer uns bons milhares de euros, boa sorte a todos e bons negócios, deixo aqui algumas dicas de 2 amigos meus empreendedores, pessoas que estiveram bastante ativas durante esta pandemia.

5 Dicas para novos empresários

Rui Landim | Especialista em negócios imobiliários

https://www.instagram.com/ruilandim/

1. Analisa a tua concorrência. Seja para te inspirares ou saberes o que não deves fazer.

2. Aprende com os “erros”. Ou tu ganhas ou tu aprendes. Vais errar várias vezes, a chave é aprender com os erros e fazer melhor da próxima vez.

3. Mantém-te sempre atualizado e informado sobre a tua área de negócio. Comporta-te como se fosses o maior especialista da área.

4. Faz. Antes feito do que perfeito. Se tiveres a espera das condições perfeitas nunca irás fazer nada.

5. Lembra-te todos os dias das razões porque começaste e porque não podes desistir mesmo que tudo pareça complicado.

Gustavo Tavares

www.trendycm.pt

Diretor Executivo da TRENDY, empresa de produção de merchandising, Social media criada em plena pandemia.

1.Acho que é a altura ideal para começar um negócio fora de merdas !!!

2.Dinâmica no ramo que vais investir “ visto que os negócios que existem estão cansados da situação covid

3.Algo que demarque o teu negócio dos teus concorrentes

4.Tentar inovar algo mesmo que seja quase impossível

5.Seriedade  e muita dedicação

-Sobre Nuno Varela-

Nuno Varela, 36 anos, casado, pai de 2 filhos, criou em 2006 a Hip Hop Sou Eu, que é uma das mais antigas e maiores plataformas de divulgação de Hip Hop em Portugal. Da Hip Hop Sou Eu, nasceram projetos como a Liga Knockout, uma das primeiras ligas de batalhas escritas da lusofonia, a We Deep agência de artistas e criação musical e a Associação GURU que está envolvida em vários projetos sociais no desenvolvimento de skills e competências em jovens de zonas carenciadas.Varela é um jovem empreendedor e autodidata, amante da tecnologia e sempre pronto para causas sociais. Destaca sempre 3 ou 4 projetos, mas está envolvido em mais de 10.

Texto de Nuno Varela
Fotografia de Lucas Coelho
gerador-gargantas-soltas-nuno-varela