fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

Entra nas páginas sem pedir licença – livros de acesso aberto

Perante o contexto de crise que atravessamos, algumas entidades decidiram disponibilizar determinadas obras, ou mesmo todas, para livre acesso.

É o caso da Imprensa Nacional Casa da Moeda, que, procurando manter "o compromisso de serviço público com a cultura portuguesa", partilha os últimos títulos da coleção "O Essencial Sobre…". Entre estes, podemos encontrar O Essencial sobre Walt Whitman, de Mário Avelar, O Essencial sobre Charles Chaplin, de José Augusto França ou O Essencial sobre Dom Quixote, de António Mega Ferreira, por exemplo. Para conheceres a lista, clica aqui. A Imprensa Nacional Casa da Moeda, tem vindo a alargar o leque das obras abrangidas, pertencentes à mesma colecção, inaugurada, na década de 1980, por Vasco Graça-Moura, então responsável pelas edições da INCM. "A ideia era avançar com uma coleção sobre diversos temas da cultura e da literatura portuguesas, explicados de uma forma breve e acessível, para um público generalista e por um valor acessível", lê-se no artigo "Combata o Isolamento, Leia Livros", onde podes encontrar as 5 obras acrescentadas à lista. As últimas obras disponibilizadas desta colecção, cerca de 6, estão disponíveis aqui.

Recentemente, foi lançada outra iniciativa, agora com a colecção "250 anos. Breve História da Imprensa Nacional", cuja disponibilização também se encontra repartida. Trata-se de uma "breve síntese adaptada a partir da obra que evocou e celebrou os 250 anos da editora pública: Indústria, Arte e Letras, de autoria de Maria Inês Queiroz, Inês José e Diogo Ferreira, dada à estampa em 2019. (...) Este é um trabalho que acompanha e dá a conhecer a história da editora pública portuguesa desde a sua criação, em 24 de dezembro de 1768, até ao presente, percorrendo o seu papel no setor das artes gráficas, da indústria do livro e da formação profissional, num cruzamento óbvio e inevitável da história do próprio país", como se lê na descrição. Trata-se de 10 volumes, sendo lançado um a cada semana. O primeiro, A Régia Oficina Tipográfica, já se encontra disponível.

A Flop vai disponibilizar os seus quatro livros, um a cada semana. Começou por Três horas esquerdas, de Daniil Kharms. Seguir-se-á 145 Poemas, de Konstantinos Kaváfis, Cinquenta e seis – vinte e cinco da terra e do rio, trinta e um do mar e dos viajantes, de Esménio, e, por fim, Para acabar de vez com o juízo de Deus e outros textos finais (1946-1948), de Antonin Artaud.

A Amazon também está a disponibilizar e-books, disponíveis em várias línguas.

Porém, há outros espaços digitais permitem o livre acesso aos seus arquivos bibliográficos, o qual não surge na sequência da crise que vivemos. Na Biblioteca Digital Mundial podemos encontrar diversos tipos de documentos, como manuscritos, mapas, fotografias, e, até mesmo, livros raros pertencentes a diferentes culturas e países (cerca de 193). Conta com um total de 19 147 artigos do período compreendido entre 8000 a.C. e 2000.

Open Library, que se insere no Internet Archive, tem a particularidade de dispor de livros que já nem se encontram no mercado e de apresentar informação sobre outros que não estão acessíveis, constituindo-se como um repositório.

Wikisource é um projeto da Fundação Wikimedia, que reúne livros de ficção e não ficção, biografias e documentos históricos, em mais de 100 mil idiomas.

O Plano Nacional de Leitura dispõe de uma extensa lista de sites, nacionais e internacionais, com livros em formato digital de acesso aberto. Nesta, consta, por exemplo, o Project Gutenberg, a mais antiga biblioteca digital do mundo, com 38 000 livros, dos quais 523 estão escritos em Língua Portuguesa, a Biblioteca Digital Camões, a PO.EX, arquivo digital da Literatura Experimental Portuguesa e o Portal Domínio Público, biblioteca digital brasileira, onde estão disponíveis 21 obras de Fernando Pessoa.

Texto de Raquel Rodrigues

Fotografia de Perfecto Capucine, via Unsplash

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

A tua lista de compras
O teu carrinho está vazio.
0