O Centro Cultural Belém (CCB) convida-nos a entrar. Com uma programação até janeiro de 2021, apresenta diversos espetáculos do mundo do Teatro, da Dança e da Performance.

Com uma “aposta renovada na Black Box”, de acordo com o referido pelo CCB, o Centro Cultural de Belém receberá entre vários artistas a companhia Teatro da Cidade com a apresentação invocação ao meu corpo; Mário Coelho, com o espetáculo Fuck Me Gently!; as coreógrafas Marta Reis Jardim e Diana Niepce, que no mesmo dia apresentarão as suas novas criações, TravessiaS e Dueto e ainda os SillySeason com o seu olhar sobre os Loucos Anos 20 em Folle Époque.

Os festivais “Cumplicidades”, “Temps D’Images” e “Alkantara Festival” também passarão pelo CCB até ao final do ano, com “HIP. A Pussy Point of View” de Piny , “”anesthetize”, de Neves, “O que veem as nuvens” de Ricardo Vaz e “Glottis” de Flora Détraz.
Em janeiro de 2021, é a vez do Teatro Nacional São João trazer “Castro, de António Ferreira, e Balcão, de Jean Genet“, ambos com encenação de Nuno Cardoso.

Com destaque para a Música, a Metropolitana e o Teatro Nacional de São Carlos, em parceria com o CCB, apresentam programas de diferentes géneros de Mahler a Mozart, de Gershwin a Wagner, de António Leal Moreira a Luís Tinoco e Beethoven, assinalando o 250º aniversário do artista com a orquestra Melleo Harmonia e DSCH – Schostakovich Ensemble.

Ainda na Música, o Museu do Fado através do ciclo Há Fado no Cais, o centenário de Amália será assinalado nos dias 26 e 27 de novembro com um espetáculo encenado pelo cineasta João Botelho, Amália | A voz maior do que o fado, e com as participações de Camané, Ricardo Ribeiro, Mário Laginha, Luz Casal, entre outros.

Num olhar sobre a Arquitetura o CCB conta com um ciclo de conferências Campo Comum, organizado com a Trienal de Arquitectura de Lisboa, que receberá o coletivo inglês Assemble, a arquiteta suíça Barbara Buser do coletivo baubüro in sito, os catalães Harquitectes e a dupla ítalo-belga Dogma, com a Garagem Sul.

A exposição O Mar É a Nossa Terra, voltada para as dinâmicas marinhas, continuará na Garagem e Sul.

A Fábrica das Artes também está integrada no programa do CCB, com dois ciclos temáticos: exposição/instalação multimédia No Fundo Portugal É Mar e o laboratório de criação artística para públicos jovens Festa de Desaniversário, a partir das obras de Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas e Alice do Outro Lado do Espelho.

Texto de Patrícia Silva
Fotografia do Cartaz de Programação do CCB

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.