A Skoola, que abriu portas em abril deste ano, é a Academia de Música Urbana no espaço do Village Underground, em Lisboa, que encerrou o seu primeiro ciclo no passado dia 19 de junho. A performance final, apresentada ao público no espaço do Village, agregou os trabalhos e criação musical de um grupo de 48 jovens de diferentes realidades sociais, comprometidos a crescer com o projeto.

O Gerador acompanhou de perto o lançamento da Skoola, que rapidamente completou nove semanas de aprendizagem mútua e troca de experiências. Entre facilitadores e participantes, o objetivo de apresentar na performance final do primeiro ciclo um resumo das descobertas e sonhos alcançados desde o primeiro dia, tornou-se o alinhamento que conduziu o evento deste sábado.

André Ferreira, um dos facilitadores da Skoola, fala-nos de como “o sábado se tornou no culminar de toda a aprendizagem e crescimento deste ciclo, envolvendo todos os participantes num objetivo comum”. Também esta ideia de constituição de uma “tribo musical” muito forte, unida pela música, se concretiza na Skoola. “O mais interessante foi reparar que, mesmo os próprios jovens, perceberam que o mais importante não foi o momento da performance, mas sim todo o caminho que eles construíram, tudo o que aprenderam sobre eles próprios e sobre música até esse ponto”, acrescenta André.

Das peças musicais e performativas apresentadas ao longo do dia 19, divididas pelas quatro turmas das faixas etárias dos 10 aos 13 anos, e dos 14 aos 18 anos, destaca-se a magia de assistir à essência da criação, à formação de jovens com novos ideais de vida e a verdadeira crença nas suas capacidades. “Houve uma participante que começou muito tímida e se revelou, mais tarde, um grande foco de inspiração e criatividade para o grupo”, recorda André Ferreira, a propósito da observação da evolução dos próprios jovens na Skoola, “e cada um tem algo a adicionar à criação musical, percebendo que só temos a acrescentar à nossa individualidade, aquilo que aprendemos com a individualidade dos outros”, afirma.

Durante a primeira hora do encerramento deste ciclo da Skoola, o facilitador Pedro Coquenão aka Batida, abriu a sua cabine de criação e deu asas a um workshop livre sobre a cultura musical, o lado mais técnico da música, do microfone aos sistemas de som, bem como a performance em palco. Todas estas dimensões, abordadas também ao longo do ciclo, fizeram parte do processo de criação do espetáculo final.

Foram duas as sessões de apresentação, uma às 12h30 e de seguida às 17h, que dividiram as turmas e as suas criações musicais. Em palco, ouvimos produções e letras originais dos participantes, envolvidos na composição teatral e expressiva do espetáculo, na interação com os instrumentos, melodias e ritmos. “Cada turma apresentou duas criações originais, trabalhadas ao longo das aulas, e um cover conjunto, orientado pelo diretor artístico Filipe Sousa”, explica André Ferreira, que, em conjunto com Tânia Lopes, Karlon Krioulo e Pedro Coquenão, orientaram as ideias dos jovens criadores.

“Destaco a criação «The First», «A Viagem», e uma que se chama «Música Dentro de Mim», que é um ótimo exemplo daquilo que é a Skoola e do que os participantes retiram desta experiência”. Também neste aspeto se encontram as histórias individuais e coletivas dos jovens que, unidos na criação, transportam para a música as suas realidades. “É interessante ver que, de forma inconsciente, eles trazem para a Skoola e para a música as suas próprias inquietações, os problemas e questões sociais que enfrentam e tentam discutir em conjunto”.

O evento que encerrou este sábado, dia 19 de junho, o primeiro ciclo da Skoola, revelou-se “um espelho de todo o trabalho construído com os jovens até ao momento, abrindo espaço para que o projeto cresça com eles”, diz André Ferreira, ao Gerador. “É muito bonito ver concretizado um espetáculo como este e perceber que há no ar uma vontade de continuar, de querer aprender mais”.

O segundo ciclo da Skoola arranca a 20 de setembro de 2021, e dura até dia 13 de dezembro, em horário pós-escolar. No verão, os bootcamps Skoola criam lugar para novos participantes, encontrando-se o primeiro já esgotado, entre 12 e 16 de julho. As inscrições para a oficina de criação musical, que acontece entre 21 e 13 de julho, para jovens dos 12 aos 20 anos, com mínimo de 3 anos de experiência musical, já se encontram abertas, através do ola@skoola.pt.

Assim termina um ciclo de música no Village Underground Lisboa, que depressa avança para uma nova etapa, como uma pauta infinita de aprendizagem e esperança. “Existe uma vontade enorme de voltar, de fazer de novo, de transformar e adaptar o projeto da Skoola conforme forem surgindo os desafios”, acrescenta André. Na Skoola, a música continua a ouvir-se para lá dos muros, cada vez mais alta, cada vez mais alinhada com o caminho que cada jovem quer trilhar e partilhar com o mundo.

Para mais informações sobre as mais recentes iniciativas da Skoola e as candidaturas para o segundo ciclo, consulte aqui.

Texto de Ana Mendes
Fotografias de Beatriz Felício


Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.