Até ao dia 30 de junho podes candidatar-te ao programa de Bolsas de Curta Duração da Fundação Oriente, que tem como objetivo apoiar a frequência de estudos e realização de estágios e visitas de estudo em países asiáticos, bem como o processo inverso (nacionais de países do Extremo Oriente que queiram passar uma temporada em Portugal). A duração mínima é de 30 dias e a máxima de 90. 

As Bolsas de Curta Duração da Fundação Oriente privilegiam a projetos nas áreas das Artes Plásticas, História, História da Arte, Design, Fotografia, Arquitetura, Museologia, Conservação e Restauro e Antropologia, e a prioridade é dada a projetos que possam ter eco no Museu do Oriente, através da realização de atividades posteriormente. 

O programa de bolsas é um dos elementos fundamentais da atuação da Fundação Oriente, no campo da educação, tanto para a frequência de cursos de aperfeiçoamento de língua e cultura portuguesas e de língua e culturas orientais, como para Investigação e Doutoramento. Em 30 anos de existência da Fundação Oriente, já foram atribuídas cerca de 1000 bolsas de estudo a candidatos de 22 nacionalidades diferentes, sendo grande parte portugueses, chineses, indianos e coreanos. 

Catarina França e Sousa, ilustradora científica e bolseira da Fundação Oriente em 2013, viajou até Macau, onde desenhou “as plantas, árvores e arbustos mais notáveis”. Numa declaração de Catarina incluída no comunicado de imprensa, conta que “Este trabalho de um mês e meio deu origem ao livro ‘Árvores e Grandes Arbustos de Macau’, um projeto que surgiu da necessidade de catalogar e registar a flora local, utilizando a ilustração como complemento e alternativa à fotografia. Foi uma experiência muito gratificante que possibilitou estudar e ilustrar as plantas no local, com os exemplares vivos e no seu habitat natural.”

O valor da bolsa é definido pela Fundação Oriente mediante a duração e o país em que decorre o projeto, incluindo todas as despesas de viagem. Sabe mais sobre as Bolsas de Curta Duração, aqui

Texto de Carolina Franco
Fotografia de Banter Snaps disponível via Unsplash

Se queres ler mais entrevistas sobre a cultura em Portugal, clica aqui.