fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Estudantes a ocupar também estão a ensinar

Nas Gargantas Soltas de hoje, Matilde Alvim fala sobre as greves dos professores e os paralelos com as ocupações estudantis pelo fim ao fóssil.

Opinião de Matilde Alvim

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A meados de Dezembro, começou uma vaga de greves dos professores pela melhoria das condições da sua profissão, afetada pela crescente precariedade e crise de custo de vida, que avançou com paralisações nas escolas de Norte a Sul do país. 

Em Novembro do ano passado, seis escolas e universidades de Lisboa foram ocupadas por estudantes ativistas inseridos no movimento “Fim ao Fóssil: Ocupa!”. O balanço de uma semana de ocupação inclui duas escolas secundárias completamente fechadas por alunos em protesto, que exigiam o  fim aos combustíveis fósseis no país até 2030 e a saída dos interesses da indústria fóssil do governo, começando pelo Ministro da Economia António Costa e Silva. O choque e surpresa de ocupações estudantis num cenário de uma comunidade estudantil política quase em coma levou a diversas reações, por vezes antagónicas. Por um lado, houve uma grande onda de apoio de uma parte da sociedade civil que rapidamente se organizou com opiniões públicas de encorajamento, apoio logístico aos estudantes ocupantes, e visitas às ocupações. Por outro, e como seria de esperar em todas as ações ligeiramente mais radicais do que uma marcha, foram alvo de controvérsia. Uma das histórias contadas para ridicularizar de forma condescendente o movimento foi a ideia de que éramos “mimados”, um grupo de jovens idealistas sem noção que passava por cima dos outros para transmitir a sua mensagem. Talvez por não serem alunos com pouco mais de 20 anos, a greve dos professores não é tratada com (tanto) desdém, como se de uma brincadeira se tratasse. Se quando os alunos decidem fazer greve às aulas pelo clima a escola não fecha – independentemente da quantidade de alunos que o decidam fazer – então torna-se claro porque é que no semestre passado os estudantes recorreram às barricadas, mesas, cadeiras e cola para encerrar a escola e perturbar o seu normal funcionamento: a nossa casa está a arder, e vocês tem de nos ouvir e agir connosco.

Embora as circunstâncias entre a greve dos professores e as ocupações estudantis sejam distintas, saltam à vista alguns argumentos comuns usados para rebaixar ambos, argumentos estes usados por algumas figuras públicas, alguns pais, e  até por outros alunos para descredibilizar quem percebe que as manifestações e os abaixo-assinados não transformam o mundo. Assim, ressurgiram do fundo do poço liberal as acusações do desrespeito do direito fundamental à educação, o atropelo das liberdades invididuais e a transgressão do Estado de Direito ao protestarmos colocando em causa a normalidade da vida dos outros. Tão forte foi esta narrativa institucional de auto-defesa, que os quatro estudantes detidos na Faculdade de Letras e que foram a tribunal por desobediência civil foram mesmo condenados a pagar uma multa de 295 euros cada, porque, de acordo com o juiz, “independentemente das causas que cada um abraça, tem que o fazer de acordo com as regras da sociedade". É claro que as ocupações pelo fim ao fóssil causaram alguns distúrbios, principalmente nas escolas que foram encerradas pela força dos próprios alunos em protesto. Não houve aulas ou foram interrompidas por grupos de alunos com megafones, faixas e tambores nas mãos, algumas avaliações foram adiadas ou perturbadas. E é claro que a greve dos professores também está a causar uma interrupção da normalidade que por vezes se torna difícil de gerir. Mas esta perturbação da normalidade deveria fazer-nos entender que os governos e as instituições preferem fazer braço de ferro perante movimentos que reivindicam a urgência de um sistema com a vida, as condições de trabalho e a justiça social e climática no centro, do que abrir mão de um poder que assenta na exploração, na destruição e no lucro de poucos. 

E é precisamente por este braço de ferro que a disrupção da normalidade, o incómodo e a raiva são necessários para transformar a sociedade. Nós sabemos que a vida está demasiado cara, que os salários estão demasiado baixos, que o nosso futuro neste planeta está a ser queimado pela indústria dos combustíveis fósseis, que as rendas estão impossíveis, que não temos tempo para nada. Nós sabemos que é preciso transformar o sistema. Para quem quer as coisas como estão, todas as ações de protesto com um mínimo de demonstração de poder serão sempre inadequadas, excessivas ou indignantes. 

Na Primavera de 2023, nós vamos voltar a ocupar escolas e universidades pelo fim ao fóssil. Vamos fechar escolas e universidades em protesto, porque a luta contra a crise climática e contra quem a perpetua é a luta pela nossa vida e pela vida de todos. Face às greves, às ocupações, aos bloqueios e a tudo o que causa indignação mas que sabemos que, no fundo, contém o sopro que precisamos para vencer: comecemos a lutar por um presente e um futuro que nos sirva, e deixemos de repetir as balbúcias emitidas pelos velhos guardiões do sistema. Deles não precisamos, disso temos a certeza.

-Sobre Matilde Alvim-

Ativista no movimento pela justiça climática desde 2019, quando surgiu o movimento internacional Fridays for Future. Estudante de Antropologia nos tempos livres.

Texto de Matilde Alvim
A opinião expressa pelos cronistas é apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

16 Abril 2024

Gira o disco e toca o mesmo?

16 Abril 2024

A comunidade contra o totalitarismo

11 Abril 2024

Objeção de Consciência

9 Abril 2024

Estado da (des)União

9 Abril 2024

Alucinações sobre flores meio ano depois

4 Abril 2024

Preliminares: É possível ser-se feliz depois de um abuso?

4 Abril 2024

Eles querem-nos na guerra

2 Abril 2024

Defesa da Europa

2 Abril 2024

O dia em que o relógio parou

29 Março 2024

Onde estão as crianças no debate político?

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

Saber mais

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0