Os homens continuam a ultrapassar as mulheres e a ocupar os mais prestigiados cargos nas programações teatrais, segundo um estudo sobre igualdade e diversidade de Género nos Teatros Europeus, da Convenção Europeia de Teatro (ETC), ontem divulgado.

O estudo conclui que há quatro mulheres para cada seis homens mencionados nos programas de teatro, e que os homens dominam as categorias profissionais de dramaturgo, realizador e pessoal técnico, enquanto as mulheres ocupam mais de 70% dos cargos de "figurino" e "cabeleireiro".

Não obstante, o estudo, publicado no Dia Internacional da Mulher, também revela o impacto "notável" das mulheres diretoras de teatro e dramaturgas na diversidade das equipas criativas.

O estudo surge numa altura em que muitos teatros europeus permanecem fechados, reconhecendo ainda assim a necessidade de utilizar este tempo para refletir sobre como construir um futuro mais inclusivo no teatro e na vida pública.

O estudo abrangeu 22 países europeus, incluindo mais de 4.000 funcionários de teatros e uma análise de mais de 11.500 artistas em 650 espetáculos.

Verificou-se que as mulheres têm situações contratuais menos seguras do que os homens, e estão "menos presentes no topo da hierarquia".

Os resultados encontraram uma "significativa" ausência de pessoas de origens minoritárias (incluindo orientação sexual, etnia, trans e pessoas com deficiência) entre o pessoal dos teatros membros da ETC.

Os homens são mais visíveis do que as mulheres nas programações de teatro, e dominam os "prestigiados cargos" de dramaturgo, realizador e pessoal técnico, enquanto as mulheres ocupam mais de 70% dos cargos de "figurino" e "cabeleireiro".

O estudo demonstrou também que o género dos decisores no teatro tem um impacto significativo nas suas escolhas: “Autores e realizadores femininos demonstram uma clara tendência para a igualdade de género, em comparação com os seus colegas masculinos, que estão em maioria e que tornam os homens mais visíveis".

Segundo a análise, em palco, 43% das personagens eram mulheres, em comparação com 57% das personagens que eram homens.

Este estudo, a primeira análise da diversidade entre os funcionários e em palcos de teatros de toda a Europa, foi realizado para a ETC por investigadores da Universidade Católica de Lovaina (UCLovaina), na Bélgica.

As conclusões resultam de um autoexame voluntário feito pelos teatros membros da ETC, numa tentativa de descobrir e impulsionar a mudança sobre as desigualdades de género e a falta de diversidade que prevalecem em todos os setores do entretenimento.

Texto de Lusa
Fotografia disponível via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.