No próximo sábado, dia 25 de julho, é inaugurada a exposição Fazer de Casa Labirinto, na Balcony – Contemporary Art Gallery, em Lisboa. A mostra, que estará patente até 16 de setembro, reflete sobre a experiência da pandemia covid-19 e os seus impactos nas relações e na vivência do espaço, do psicológico ao urbano.

Trata-se de um projeto transdisciplinar com curadoria de Ana Cristina Cachola e Sérgio Fazenda Rodrigues, que envolve nove artistas e 13 agentes culturais. A mostra será ainda materializada num livro homónimo, lançado em setembro, que pretende documentar os processos de criação artística e curatorial.

Partindo da criação de objetos artísticos, textos e ilustrações autorais, o projeto analisa o modo como se pode contribuir para a produção de sentido cultural de pertença, problematizando a relação entre espaços público e privado na complexidade do urbano, procurando, paralelamente, auxiliar a subsistência e a visibilidade de artistas e agentes culturais envolvidos.

Estarão expostas obras de Carla Cabanas, Fernão Cruz, Gisela Casimiro, Henrique Pavão, Horácio Frutuoso, Mané Pacheco, Nuno Nunes-Ferreira, Sara Mealha, e Susana Mendes Silva.

O programa da exposição contempla visitas guiadas pela equipa de curadoria nos dias 29 de julho, 22 e 29 de agosto, 5 e 12 de setembro, sempre com início às 15h e admissão livre, mediante marcação através do e-mail: info@balcony.pt

Fotografia da obra I dont trust myself II de Carla Cabanas