A Galeria Balcony, em Lisboa, reabriu ao público no passado dia 8 de abril, com a exposição “F for…” de Sara & André, que ficará patente até dia 21 de maio de 2021. Esta exposição, composta por mais de 90 obras, assinala a nova representação da galeria e o regresso da dupla artística Sara & André, abordando as questões da autenticidade e apropriação artística.

“F for…” é uma exposição que exibe impressões em vinil e dezenas de desenhos originais, selecionados a partir da vasta coleção de 800 obras em grafite, lápis de cor, lápis de cera, esferográfica, caneta de feltro, aguarela, têmpera, acrílico e colagem. É de destacar que nenhum dos trabalhos em exposição estará disponível para venda.

Mais de 90 obras compõem a exposição "F for...", de Sara & André, selecionadas de uma coleção de 800 trabalhos

A inspiração, refletida no título da exposição, faz referência ao filme documental "F for Fake", do realizador Orson Welles, de 1973. O filme explora a vida de um dos maiores falsificadores de arte, o pintor húngaro Elmyr de Hory. Com assinatura falsa dos mestres Picasso, Matisse, Renoir, entre outros, a sua obra como falsificador é regularmente requisitada para refletir sobre os conceitos de autenticidade na criação artística, em espaços como o Hillstrom Museum of Art, o Círculo de Belas Artes de Madrid e Museu d’Art de Girona.

"Procuramos uma arte da qual não faça parte o génio criativo, que possa ser feita por qualquer pessoa", afirma André, porque, “não pretendemos ficar presos a uma autoria ou a um estilo”, acrescenta Sara. A apropriação artística é temática recorrente nada dupla, onde procuram não só copiar, estudar e editar obras, mas também alertar para questões sobre originalidade, autoria e o próprio conceito do papel do artista.

A dupla Sara & André, formada em 2004, procura conjugar a edição, o estudo das obras, envolvendo artistas, curadores e outros agentes

A exposição “F for…” pode ser visitada até dia 21 de maio, na Galeria Balcony, de segunda a sexta-feira, entre as 14h e as 19h30. Devido ao cumprimento das normas da DGS, a entrada na galeria está limitada a um máximo de 10 pessoas em simultâneo.

Texto de Ana Mendes
Fotografias de João Neves

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.