Ontem, dia 3 de Agosto, foi anunciado que a 18.ª edição da Festa do Jazz, organizada pela Associação Sons da Lusofonia, que decorrerá entre 12 e 13 de Setembro, será, pela primeira vez, realizada no Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém.

A Festa do Jazz, devido ao contexto de pandemia, não terá público presencial. Contudo, poder-se-á aceder aos conteúdos nas plataformas da RTP Palco. Ainda não disponibilizada de forma mais detalhada, a programação não divergirá das anteriores. O evento terá início com a apresentação do Livro Festa do Jazz, que conta a sua própria história, “que, em muitos pontos, se confunde com a história contemporânea do jazz em Portugal, e traça o perfil de alguns dos seus intervenientes”, refere o comunicado, citado pela Lusa. Somam-se as actuações, online, em directo, de Tomás Marques Quarteto, Andy Sheppard Quarteto, João Barradas a solo, Susana Santos Silva e Angélica Salvi, Sound of Desire (trio de Ricardo Toscano), Maria João e Carlos Bica e uma homenagem a Bernardo Sassetti, com a participação de João Mortágua (saxofone alto), João Pedro Coelho (piano), Carlos Barretto (contrabaixo) e Alexandre Frazão (bateria), entre outros.

Propor-se-à ainda momentos reflexivos, como o debate “Portugal, Jazz e a questão racial”, que tem o activista Mamadou Ba e as cantoras Maria João e Selma Uamusse como convidados/as. “Lembrando que o jazz tem na sua génese uma forte ligação às comunidades negras, aos seus ritmos e formas de interpretação musical, a organização refere que neste debate “pretende recuperar-se essas referências históricas, trazendo-as para a atualidade de forma a refletir sobre o momento atual no que diz respeito às questões raciais, mas também de diferença de género”, cita a agência.

Procurando dar espaço aos novos músicos de jazz portugueses, decorrerá o Encontro Nacional de Escolas, através do qual darão a conhecer o seu trabalho. “Este ano participam no encontro: JB Jazz Clube, Art’J – Jobra, JAHAS Rockschool Porto, Curso Profissional de Instrumentista de Jazz da Bemposta, ESMAE – Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, Universidade Lusíada de Lisboa e Universidade de Évora”, escreve a agência.

A entrega dos Prémios RTP/Festa do Jazz, “que promove a música improvisada portuguesa e dá a conhecer ao público os melhores músicos nacionais de cada ano”, será outro momento solene, que a organização destaca no evento.

Neste ano, a organização refere que a preocupação com a fragilidade da situação dos músicos de jazz portugueses acentuou-se. “Assim, a Festa do Jazz 2020 associa-se ao Fundo de Solidariedade com a Cultura lançado pela Santa Casa, GDA, Audiogest e GEDIPE através da recolha de donativos, via website Associação Sons da Lusofonia, que revertem a 100% para o fundo”, continua o comunicado.

Texto de Raquel Botelho Rodrigues

Fotografia de Miti, via Unsplash