fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Festival MIL traz mais de 50 concertos ao Cais do Sodré

De 27 a 29 de setembro a música popular e emergente vai ocupar diversos espaços emblemáticos da noite lisboeta

Texto de Sofia Craveiro

Body of Pain/SONY DSC

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O Cais do Sodré, em Lisboa, vai encher-se de música este mês. O Festival MIL, dedicado à música popular atual e artistas emergentes, regressa com mais de 50 espetáculos em várias salas.

Esta 7.ª edição decorre de 27 a 29 de Setembro, segundo informação divulgada pela organização. Os concertos irão dividir-se entre o Musicbox, o Roterdão, o Estúdio Time Out, o Lounge, o LISA, o Titanic Sur Mer e o B.Leza.

A lista de artistas portugueses confirmados inclui Ana Lua Caiano, Papillon, Cobrafuma, Femme Falafel, Baile, Glockenwise, Lucy Val, 5ª Punkada, Hetta, Meia/Fé, bbb Hairdryer, João Borsch, April Marmara, Margarida Campelo, Libra, Ellah Barbosa, Ricardo Crávidá e Napa.

O maior número de artistas estrangeiros confirmados chega do Brasil, Espanha e França. Julia Mestre, vocalista dos Bala Desejo, Getúlio Abelha, Bebé, Leo Middea, Black Pantera e Kaê Guajajara & Kandu são os artistas brasileiros convocados. De Espanha, chegam Paco Moreno, Tristan!, LaFrancessa, Amaia Miranda, Teo Planel e Eurowitch, e de França Jenys, Société Etrange, YMNK, Cuarto Mundo, Paper Tapes, Hanaa Ouassim e Widad Mjama feat. Khalil Epi.

A estes juntam-se ainda William Araújo (Cabo Verde), Jessica Winter (Reino Unido), Shoko Igarashi, Don Kapot, Gaiko (Bélgica), Body of Pain (República Checa), Tex, Krissy Mary (Noruega), Badtime, Comforter2 (Países Baixos) e Dina Jashari (Macedónia).

Além dos artistas, o MIL vai contar com a presença de programadores de vários festivais internacionais, entre os quais o Primavera Sound, BAM Festival (Espanha), Nuits Sonores (França), MaMA Festival (França), SIM - São Paulo (Brasil) e Eurosonic Nooderslag (Países Baixos).

Margarida Campelo. Fotografia de Joao Hasselberg

Para Margarida Campelo, uma das artistas portuguesas confirmadas, este é um dos pontos mais positivos já que, conforme explicou em entrevista ao Gerador, pode “abrir algumas portas”. Atuar no MIL representa, assim, “uma oportunidade importante neste meu lançamento [a solo], porque os sítios onde tenho publicado são para um público mais específico, num contexto de música exclusivamente portuguesa, e esta será a primeira vez em que eu vou poder tocar para um público mais abrangente”, explica.

De acordo com a organização, o propósito do evento “é o de sempre, a descoberta, promoção, valorização e internacionalização da música popular actual”. Neste sentido, para além da música, “centenas de profissionais nacionais e internacionais reúnem-se em Lisboa para trocar experiências, estabelecer contactos e descobrir, com o público, novos artistas", lê-se no comunicado enviado ao Gerador.

Os bilhetes para o festival já estão à venda. Mais informações disponíveis no site do festival.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0