O Festival Semibreve está de regresso à cidade Bracara Augusta, Braga, entre 28 e 31 de outubro. O programa inclui concertos, instalações, oficinas e conversas em diversos locais da cidade de Braga.

Uma das atuações recai sob a harpista norte-americana Zeena Parkins com o artista português André Gonçalves, a reunião entre a sueca Klara Lewis e a britânica Nik Void com o português Pedro Maia, ou entre a norte-americana Laurel Halo e o britânico Oliver Coates.

Quem sobe, igualmente, ao palco é o libanês Rabih Beaini juntamente com as harpistas portuguesas Angélica Salvi e Eleonor Picas, dando-se igualmente a estreia mundial do novo projeto de Rafael Toral, intitulado Time Bridges. No Semibreve estará ainda o coletivo norueguês Supersilent, composto por Helge Sten (Deathprod), Arve Henriksen e Ståle Storløkken.

Integrarão, ainda, o Semibreve duas performances duracionais, especificamente concebidas para o festival. A compositora norte-americana Yvette Janine Jackson apresentará uma obra para eletrónica e violoncelo, que será interpretado ao vivo pela australiana Judith Hamman e a britânica Flora Yin-Wong apresentará uma peça eletrónica multicanal. Os coletivos Mera e Turva são os responsáveis por apresentar sessões de cariz audiovisual.

Podes consultar toda a programação aqui.

Realce-se que o festival decorrerá em cumprimento das regras de saúde pública impostas pelas Direção Geral de Saúde, face à covid-19. Como tal, o acesso ao festival será limitado aos portadores de passes gerais adquiridos para a edição de 2020, que são válidos para a edição de 2021. Caso as regras vigentes o permitam mais bilhetes serão disponibilizados, brevemente.

Texto de Isabel Marques
Fotografia disponível via Unsplash