fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Filho do Meio regressa ao Teatro do Bairro com Hamlet

Depois da apresentação de três comédias, a companhia de teatro Filho do Meio traz novamente…

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Depois da apresentação de três comédias, a companhia de teatro Filho do Meio traz novamente uma peça de William Shakespeare ao Teatro do Bairro, desta vez para apresentar Hamlet, a primeira das três tragédias previstas no ciclo "Três Comédias, Três Tragédias". A peça estará em apresentação a partir de 8 de Janeiro, até 2 de Fevereiro, com encenação de Luís Moreira, a partir de uma tradução de Fernando Villas-Boas, produção de Leonor Buescu, e um elenco com actores como Alice Medeiros, André Pardal, Luís Lobão, Rita Loureiro e Valter Teixeira, entre outros.

Com o recente apoio da Fundação GDA e da Fundação Calouste Gulbenkian, a companhia de teatro, que esgotou todas as sessões até agora apresentadas, encontra-se assim a meio do ciclo dedicado ao dramaturgo inglês, com uma ideia transversal a todo o trabalho: "tornar Shakespeare um teatro para todos". Para Luís Moreira, encenador e fundador do Filho do Meio, "fazer Shakespeare para todos significa que é suposto ser para quem conhece a história e para quem não conhece a história; para quem já ouviu falar e para quem nunca ouviu falar; para quem sabe quem é Hamlet e para quem não sabe". Fazer uma só peça seria, para o encenador, injusto, "tendo em conta a dimensão da obra e a dimensão que tem na dramaturgia ocidental e mundial". Assim, depois de três comédias — Noite de Reis, Sonho de Uma Noite de Verão e Muito Barulho por Nada —, Hamlet, a primeira tragédia em apresentação, surge como uma das peças que mais desafios levanta ao encenador e aos actores.

"É a melhor tragédia do Shakespeare", afirma Luís Moreira sobre Hamlet. "Combina muito bem com a transição para as tragédias, porque todas as nossas comédias terminaram com um casamento e o Hamlet começa com um. Estamos a começar de onde deixámos", revela ainda ao Gerador o encenador, que vê assim na peça uma ajuda para a mudança de tom, do cómico para o trágico. "Não quer dizer que o tom trágico seja lamentoso, ou choroso, ou lamechas, até porque o Hamlet é uma boa tragédia porque tem muitos momentos cómicos: o momento dos actores; a própria personagem Hamlet é cheia de ironia", sublinha ainda Luís Moreira.

Luís Lobão é Hamlet © Vitorino Coragem

Hamlet surge, assim, num ciclo de peças de Shakespeare cuja apresentação se pensou em sequência. Se Noite de Reis, a peça que deu início ao ciclo, é a comédia de Shakespeare favorita de Luís Moreira, Sonho de uma Noite de Verão foi um "acrescento por trazer mais gente, mais personagens", e Muito Barulho por Nada "uma transição para a tragédia, no sentido em que aquilo que acontece à Hero na zona do casamento é trágico". Se para o encenador, a apresentação da comédia envolveu "o estudo de como é que se pode fazer uma parte que é trágica, ou dramática, e que comova a plateia", a apresentação de uma tragédia como Hamlet procura explorar os aspectos cómicos da peça e desenvolver a "linguagem comum da companhia" que tem vindo a ser "transportada de um espetáculo para outro e, dessa forma, vai crescendo". Da fala dos actores, que substitui clareza e som projectado por "formas mais naturalistas de falar", à própria palavra e à forma verbal utilizada, que insinua relações de carácter diferente entre as personagens; da apresentação das personagens, que usam adereços sugestivos e agem de forma reveladora, até à alteração da própria estrutura da peça, começando, na encenação de Moreira, com o conhecido solilóquio de Hamlet.

Alice Medeiros é Ofélia © Vitorino Coragem

Hamlet leva-nos por uma história de vingança do filho de um pai assassinado, que aparece sob a forma de um fantasma, mas também por uma história de culpa, desconfiança, mentiras e morte. A tragédia de William Shakespeare, escrita provavelmente entre 1599 e 1602, é uma das peças mais discutidas, apresentadas e influentes na história da literatura, todos os anos com múltiplas apresentações em vários teatros do mundo. "Uma coisa que Shakespeare me ensinou, por ser tão bom o texto, é que a encenação só tem de pôr os actores a contar a história. Só, mais nada", refere Luís Moreira. "Shakespeare ensina aos actores a importância do ensemble, do grupo", considera o encenador, "o espectáculo só é bom, se o grupo também for bom e se o grupo trabalhar em função disso, portanto, mesmo que, como é o caso do Hamlet, haja uma peça em que o próprio título é o nome da personagem principal, não quer isso dizer que eu não trabalhe com o mesmo volume e a mesma intensidade com o grupo, e Shakespeare ensina isso aos actores".

Com coreografias concebidas pela bailarina Joana Chandelier, iluminação de Rui Seabra, e cenografia e figurinos de Maria Gonzaga, a primeira sessão tem data marcada para o dia 8 de Janeiro, às 21h30, e as sessões seguintes decorrerão até 2 de Fevereiro, de quarta-feira a sábado às 21h30 e nos domingos às 17h. Os bilhetes estão já disponíveis no site da Bilheteira Online e podem ser adquiridos por 10€ (preço do bilhete) ou 15€ (com contribuição de apoio ao Filho do Meio).

Texto de Francisco Cambim
Fotografias de Vitorino Coragem

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

10 Julho 2024

Junho de 2024 foi globalmente mais quente do que qualquer junho de que há registo

4 Julho 2024

Porto: novo programa apoia melhorias na casa de pessoas com deficiência

25 Junho 2024

Último Recurso esteve no principal fórum climático que prepara as decisões da COP29

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

4 Junho 2024

Irene Flunser Pimentel: “o identitarismo é a grande arma da extrema-direita”

28 Maio 2024

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0