fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Gira o disco e toca o mesmo?

Rodrigo Cardoso fala-nos sobre a relação entre abstenção e participação política, e a comunicação existente entre classe polícia e os cidadãos, salientado o caso das classes mais desfavorecidas da sociedade.

Opinião de Rodrigo Cardoso

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Parecendo que não, já estamos a dois meses das eleições europeias e, ainda que possa parecer cedo para prognósticos, a verdade é que os partidos já estão a começar a campanha.

Sabemos que a baixa abstenção que se verificou no dia 10 é algo inédito, mas é pouco improvável que se repita (pelo menos nos mesmos números) em junho. É com isto em mente que vos venho falar da abstenção dos enteados, bastardos e negligenciados da República – aqueles que residem em bairros sociais.

Durante as campanhas, é comum ver nos telejornais, quase diariamente, políticos rodeados dos seus apoiantes em bairros sociais, onde interagem com a população, tiram fotografias, respondem a algumas questões e, depois, seguem caminho. Não critico essas ações, antes pelo contrário. No entanto, causa-me algum desconforto o facto de ocorrerem, salvo raras exceções, apenas quando é conveniente aos partidos angariar votos. 

Não é coerente lamentar a elevada taxa de abstenção quando, na realidade, muitos dos que nos representam não fazem o trabalho necessário de auscultar os eleitores com a periodicidade exigida. Não excluo a possibilidade de existirem bairros sociais onde os habitantes se sentem verdadeiramente ouvidos pela classe política. No entanto, como alguém nascido e criado num desses bairros, em Lisboa, nunca testemunhei uma campanha política sequer naquele local. Não posso acreditar que, neste momento, seja dada a devida atenção a esta camada da população. É triste que os que mais precisam de apoio se sintam menos ouvidos.

É crucial reconhecer que a participação política nas comunidades mais desfavorecidas não pode ser apenas uma tática esporádica de campanha, mas sim uma prática constante e autêntica. Frequentemente, estes bairros são negligenciados pelas autoridades e pela classe política, alimentando, dessa maneira, um ciclo incessante de marginalização e falta de representação. Para reverter esse cenário, seria imperativo implementar medidas concretas, como programas de educação cívica e envolvimento cívico desde tenra idade, projetos de revitalização urbana que promovam espaços de convívio e participação comunitária, bem como a criação de conselhos consultivos locais compostos por representantes da comunidade e políticos, com poderes efetivos na tomada de decisões relacionadas aos seus bairros.

É de suma importância que os políticos estabeleçam canais de comunicação contínuos e eficazes para compreender as necessidades e preocupações dos residentes dos bairros sociais. Isso requer, naturalmente, um compromisso genuíno com a inclusão e a justiça social, indo além das meras promessas de campanha.

Ao reconhecer e abordar as disparidades na participação política, podemos avançar na construção de uma sociedade mais equitativa e democrática, onde cada cidadão tem a oportunidade de contribuir para a tomada de decisões que afetam as suas vidas. As eleições europeias, nesse contexto, representam não apenas uma oportunidade de escolher quem nos vai representar em Bruxelas, mas também um momento de reforçar os princípios fundamentais da democracia e da igualdade de direitos para todos os cidadãos da União Europeia.

- Sobre o Rodrigo Cardoso -

Rodrigo Miguel Cardoso é estudante de Ciência Política e Relações Internacionais, bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e alumnus do Departamento de Estado Norte Americano. Em 2022, foi Deputado e Porta-voz pelo Distrito de Lisboa ao Parlamento dos Jovens. Defensor da justiça social e dos Direitos Humanos, tem vindo a representar Portugal em diversas iniciativas internacionais associadas a essas causas e faz atualmente parte da rede de jovens da Amnistia Internacional Portugal e da Children and Youth Constituency of the United Nations Framework Convention on Climate Change (YOUNGO).

Texto de Rodrigo Cardoso
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0