A Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, recebe este domingo, dia 16 de fevereiro, a 6.ª edição do Portas Abertas – Rising Stars, iniciativa de um dia, inteiramente dedicado à música, com os mais promissores talentos europeus desta área num ambiente festivo e informal.

Estas novas artistas da música integram um programa desenvolvido pela ECHO – European Concert Hall Organisation, uma rede que engloba uma série de prestigiadas salas de concertos, da qual a Gulbenkian faz parte. As instituições envolvidas nesta rede selecionam, anualmente, jovens músicos de excecional talento que, para além de receberem formação, têm a oportunidade de atuar nos diversos palcos associados, onde atuam os grandes intérpretes da música mundial.

Esta edição abre com o recital do jovem trompetista Simon Höfele que interpretará obras de Gershwin, Ravel, Miroslav Srnka e Georges Enesco. Segue-se o recital do clarinetista Magnus Holmander com obras de Schumann, Arvo Pärt, Debussy, Luigi Bassi e Molly Kien. Mais tarde apresenta-se no palco do Grande Auditório a violinista Noa Wildschut para interpretar obras de Schubert, Joey Roukens e Prokofiev.

O violoncelista Pablo Ferrández apresenta obras de Max Bruch, Antón García-Abril e César Franck, seguindo-se o português João Barradas (acordeão) com peças de Bach, Keith Jarrett e Luciano Berio. A terminar, sobe ao palco o Goldmund Quartett, que irá interpretar obras de Haydn, Dobrinka Tabakova e Debussy.

Para além das apresentações dos Rising Stars, o programa Portas Abertas, de entrada totalmente gratuita, inclui ainda atividades e oficinas para toda a família, masterclasses com os jovens músicos e exibição de vídeos educativos sobre os instrumentos da Orquestra Gulbenkian e os bastidores do Grande Auditório.

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia de Alfonso Salgueiro Lora

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.