fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Há dez filmes independentes americanos para ver até domingo em Lisboa

De 7 a 12 de março, há dez filmes independentes americanos para ver no Cinema São Jorge, em Lisboa. A saúde mental, a violência urbana, as manipulações laboratoriais, a imigração clandestina, a orientação sexual são alguns dos temas abordados, revela ao Gerador o programador deste ciclo.

Texto de Isabel Patrício

Fotografia cortesia de Outsiders – Ciclo de Cinema Independente Americano

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Arranca esta terça-feira a segunda edição do Outsiders - Ciclo de Cinema Independente Americano. Até domingo, dia 12 de março, o Cinema São Jorge, em Lisboa, vai servir de palco, assim, a dez filmes de realizadores independentes, que nunca foram apresentados em Portugal e que contam com um “relevante percurso nos mais prestigiados festivais de cinema do mundo”. “Ver um western como In a Valley of Violence, com Ethan Hawke e John Travolta, ou um neo-film noir como Gemini, com Lola Kirke e Zoë Kravitz, no ecrã gigante da sala Manoel de Oliveira, do São Jorge, são experiências raras hoje em dia”, destaca o programador Carlos Nogueira, em declarações ao Gerador.

A ideia de criar este ciclo de cinema, começa por explicar o referido responsável, surgiu no âmbito das comemorações dos 35 anos da  Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), mas a pandemia levou a uma mudança de planos, pelo que a primeira edição só aconteceu no final de 2021. “Apesar dos esforços de alguns festivais e de raras presenças nos canais tradicionais de distribuição, muitos dos cineastas surgidos no pós-milénio e grande parte destes filmes permaneciam inéditos no nosso país. Era um trabalho que precisava de ser feito”, sublinha Carlos Nogueira.

Já este mês decorre a segunda edição do Outsiders, que prossegue “o caminho trilhado pela primeira, apostando-se agora nas pontes que este cinema estabelece com o passado, nomeadamente na utilização dos códigos dos géneros do cinema clássico de Hollywood”, adianta o programador.

O ciclo arranca esta terça-feira, dia 7 de março, com o filme The Lovers (na fotografia no topo), realizado por Azazel Jacobs, e protagonizado por Debra Winger e Tracy Letts, que “interpretam um casal há muito tempo desapaixonado e ambos envolvidos em relações extra-matrimoniais”. 

Já no dia seguinte, será mostrado Upstream Color, de Shane Carruth, “uma misteriosa obra de ficção científica”, que foi premiada nos festivais de Sundance e Sitges e que integrou a selecção oficial de festivais como Berlim e Sundance London. Ainda na quarta-feira, mas mais tarde, será exibido Madeline's Madeline, de Josephine Decker, que reflete sobre “a relação entre a saúde mental e as artes performativas”.

Upstream Color, de Shane Carruth, é, na palavras da organização deste ciclo, “uma misteriosa obra de ficção científica”. Fotografia cortesia do ciclo Outsiders.

No dia 9, será a vez de Transpecos, um filme de gangsters do realizador Greg Kwedar, e de Depraved, de Larry Fessenden. E na sexta-feira, poderá ser visto Foxhole, de  Jack Fessenden, e In a Valley of Violence, realizado Ti West.

No sábado, será apresentado Krisha, um melodrama familiar de Trey Edward Shults, e Gemini, do realizador Aaron Katz. “A segunda edição do ciclo Outsiders termina no domingo, dia 12 de março, com Wild Nights with Emily, realizado por Madeleine Olnek, um filme biográfico muito pouco convencional sobre a escritora Emily Dickinson”, realça a organização.

Nesta edição, o Outsiders conta ainda com a presença do referido realizador Jack Fessenden, que vai estar em Lisboa para uma masterclass na Faculdade de Belas-Artes  e apresentar o seu filme Foxhole.

Jack Fessenden vai estar em Lisboa para uma masterclass na Faculdade de Belas-Artes. Fotografia cortesia do ciclo Outsiders.

“O ciclo Outsiders não dá apenas a ver bons filmes, permite preencher lacunas, revelar que muito do que se faz hoje em televisão não nasceu de geração espontânea, e mostrar caminhos menos conhecidos que o cinema americano tem explorado”, enfatiza Carlos Nogueira, que revela que a saúde mental, a violência urbana, as manipulações laboratoriais, a imigração clandestina, a orientação sexual são alguns dos temas abordados nos filmes selecionados este ano.

O programa completo pode ser consultado online. Os bilhetes, que custam 4,5 euros por sessão (ou quatro euros, no caso dos menores de 25 anos e maiores de 65 anos), podem ser adquiridos também por essa via. Este ciclo é uma coprodução entre a FLAD e o Cinema São Jorge.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

4 Junho 2024

Irene Flunser Pimentel: “o identitarismo é a grande arma da extrema-direita”

28 Maio 2024

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0