Os municípios de Loulé, Silves e Albufeira e a Universidade do Algarve uniram-se para nos dar a conhecer um património com mais de 350 milhões de anos. O aspirante a Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira é para os amantes do turismo de natureza e curiosos da história e do território nacional.

O Algarve esconde um dos segredos mais bem guardados de Portugal. Não falamos das praias e da comida, mas sim do único geoparque a sul do rio Tejo que ocupa um total de 1.381km2, cerca de um terço do território algarvio, onde reside um património geológico anterior ao aparecimento dos dinossauros tão singular e tão relevante que permite contar vários capítulos da história do planeta Terra - o aspirante a Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira.

Subir à Rocha da Pena, descobrir os mistérios da Mina de Sal-Gema na cidade de Loulé, observar a Formação do "Grés de Silves", que percorre o Vale Fuzeiros, fazer uma caminhada até à Fonte Benémola ou visitar o Planalto do Escarpão. As atividades que se podem fazer no território que agora se candidata a Geoparque Mundial da UNESCO são inúmeras. Dele fazem também parte os geossítios da Discordância Angular no Pirinéu, da Penina, onde se encontra a Jazida do Metoposaurus algarvensis, e do Complexo vulcano-sedimentar nomeadamente na Torre e dos Megalapiás da Varejota, que já podem ser visitados.

A Diretora Científica do Geoparque, Cristina Veiga-Pires, explica que "A candidatura a Geoparque Mundial da UNESCO surgiu na sequência do importante património paleontológico, que nos últimos anos tem vindo a ser revelado na formação do grés de Silves. Tudo começou com a descoberta do Metoposaurus algarvensis (227 milhões de anos), espécie singular de salamandra gigante com mais de 2 metros de comprimento que dá nome a este geoparque, só foi descrito, até ao momento, nesta região do mundo".

Para além deste património geológico de referência a nível nacional e internacional, o aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira possui também um rico património natural, pela sua reconhecida biodiversidade, arqueológico, gastronómico, cultural e social comum, extensível e complementar entre os três municípios.

"Este território reúne o legado de uma história geológica que conta o nascimento de cadeias montanhosas e mares antigos, e se estende desde muito antes dos continentes terem a sua configuração atual, ou mesmo dos dinossauros existirem, até aos dias de hoje", acrescenta Cristina Veiga-Pires.

Este é um projeto pensado para várias gerações, perpetuando costumes e tradições, e que pretende desenvolver o turismo no interior e, ao mesmo tempo, estimular a economia. As iniciativas propostas passam, pela criação de roteiros patrimoniais, que permitam o desenvolvimento de um turismo sustentado e a fixação de pessoas, pela realização de exposições e ações de educação e comunicação, por aprofundar o conhecimento do território e promover a preservação e conservação do património ambiental e cultural do território Geoparque, com ações de manutenção, conservação, educação e promoção de turismo social e ambientalmente sustentável.

Texto de Patrícia Nogueira
Fotografias de Vasco Célio
Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.