fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Há um espaço na Lousã que celebra a tradição oral portuguesa

O Cura foi criado para combater a escassez da oferta cultural na zona centro do país, promover a diversidade artística, revelar tradições, e celebrar “a mestria dos anciãos”. Vai passar a abrir com maior regularidade.

Texto de Isabel Patrício

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A partir da próxima semana, o CURA – espaço em Serpins, Lousã, que celebra a tradição oral portuguesa – passa a estar aberto de quinta-feira a domingo, das 17h00 às 20h00. Ainda que tenha sido inaugurado no final de março, este lugar criado pela associação A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria só podia ser visitado, até agora, por marcação, conta ao Gerador o diretor artístico, mas abre agora as suas portas ao público, convidando-o a beber vinho de autor enquanto vê vídeos de várias regiões de Portugal.

A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria é uma associação sem fins lucrativos, que já organiza piqueniques e eventos, mas faltava criar uma “espaço onde pudesse receber pessoas” e mostrar o seu “paradigma principal: a partilha e a escuta”, explica Tiago Pereira. Foi assim que surgiu o CURA, em Serpins, como “lugar de encontro” que celebra 100 anos de tradição oral portuguesa.

O espaço foi inaugurado no final de março e, apesar do balanço ser positivo, tem enfrentado alguns desafios, nomeadamente ao nível do financiamento. “Como ter uma programação quotidiana sem dinheiro? Como receber as pessoas todos os dias e ter um espaço aberto? Como ter dinheiro para pagar a uma pessoa para lá estar o dia inteiro, especialmente num sítio como Serpins, onde há dias inteiros em que ninguém passa pelo CURA”, enumera o diretor artístico, que indica que, por isso, até ao momento só estavam a ser feitas visitas com marcação.

Os próximos meses prometem, contudo, trazer algum dinamismo. O CURA terá uma estagiária francesa, ao abrigo do programa ERASMUS, que permitirá que o espaço seja aberto mais vezes. “Sabemos que vamos abrir o CURA nos meses de junho, julho e agosto de forma mais coerente e mais vezes”, salienta Tiago Pereira. 

E entretanto, a associação anunciou que este espaço estará mesmo aberto de quinta-feira a sábado, das 17h00 às 20h00. “Pode-se beber vinho a copo ou à garrafa, vinho de autor de produtores de diversas partes do país a preços muito justos e ver vídeos de várias regiões”, revelou A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria. “Venha passar um fim da tarde na CURA, beba um vinho, folheie uns livros, veja vídeos e conheça o país sem sair de Serpins”, apelou a mesma.

Ao Gerador, o diretor artístico adianta ainda que está a aguardar o resultado de um financiamento, que permitirá promover concertos, oficinas e encontros com artesãos neste espaço.

O CURA está, convém notar, equipado com um sistema de som e com um projetor de vídeo, com os quais se pode assistir a filmes, debates, espetáculos de música ou de dança ou participar em oficinas. Uma das iniciativas pensadas neste âmbito foi a Tasca Digital, uma experiência de prova de vinhos e queijos de várias regiões do país, na qual o visitante aproveita para assistir a vídeos da autoria d’ A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0