João Laia foi recentemente anunciado como o próximo curador-chefe do Museu de Arte Contemporânea Kiasma, em Helsínquia. A desempenhar funções desde o dia 3 de junho, o curador português sucede Marja Sakari, juntando-se ao diretor do museu, Leevi Haapala, na programação. 

Até há apenas um mês, João Laia era um nome que rapidamente se associava à ARCOlisboa. Responsável pela secção Opening, destinada a jovens galerias, parte agora para Helsínquia após ter sido selecionado num concurso internacional lançado em Dezembro. 

Num texto disponível no e-flux, o diretor do Kiasma refere-se a João Laia como “um curador de exposições temáticas, de filmes e de artes performativas com uma importante rede de contactos” e “um visionário”. No mesmo site, Laia diz que está “muito entusiasmado” para se juntar “ao Kiasma como curador-chefe de exposições temporárias” e que mal pode esperar “por apresentar trabalho desafiante, experimental e poético”.

Em Portugal mas também lá fora, as exposições com curadoria assinada por si foram passando por instituições e espaços independentes, de Lisboa a Londres, Estocolmo a Moscovo. O contacto com os públicos — que podem ser mais ou menos especializados — foi também sendo alimentado através de artigos em publicações como a Frieze e a Mousse, com contribuições destacadas no texto de  Leevi Haapala para o e-flux.

Com um caminho feito entre a arte contemporânea e o cinema, João Laia estudou cinema no King’s College, em Londres, e Curadoria Cinematográfica no London Consortium. Entre 2012 e 2013 integrou o CuratorLab, em Estocolmo, seguindo-se uma residência artística na Fondazione Sandretto Re Rebaudengo, em Turim. 

Encontra-se patente até 1 de setembro a exposição que inaugurou recentemente com a sua curadoria — “Ponto de Fuga” — na Galeria do Torreão Nascente da Cordoaria, a partir de obras da coleção António Cachola. Podes saber mais informações sobre esta exposição, aqui.

Texto de Carolina Franco
Fotografia de Discovering Finland disponível via Flickr

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.