fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Junho de 2024 foi globalmente mais quente do que qualquer junho de que há registo

No mês passado, o planeta bateu, pelo décimo terceiro mês consecutivo, um novo recorde mensal de calor. Segundo Carlo Buontempo, diretor do programa Copernicus Climate Change Service, da União Europeia, os dados destacam uma “relevante” e “contínua” mudança no clima.

Fotografia de Mika Baumeister, via Unsplash

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Durante o mês de junho foi registada uma temperatura média do ar à superfície de 16,66 graus Celsius (C), o que corresponde a 0,14°C acima do anterior máximo estabelecido, em junho de 2023. Ao mesmo tempo, o mês passado foi 0,67°C mais quente do que a média registada no período de 1991 a 2020 para esse mês, e 1,5ºC mais quente do que a média registada entre 1850 e 1900, o período de referência pré-industrial. 

Os dados foram divulgados esta segunda-feira, dia 8 de julho, pelo programa Copernicus Climate Change Service (C3S), a componente de observação da Terra do programa espacial da União Europeia (UE). “Mesmo que esta série específica de extremos termine em algum momento, veremos novos recordes serem quebrados à medida que o clima continua a aquecer. Isto é inevitável, a menos que paremos de emitir gases com efeito de estufa para a atmosfera e os oceanos”, destacou, em comunicado, o diretor do C3S, Carlo Buontempo.

Os dados divulgados revelam que, na Europa, o passado mês de junho foi o segundo mais quente de que há registo, com 1,57ºC acima da média do período entre 1991 e 2020. Noutras áreas geográficas, as temperaturas mais elevadas acima da média registaram-se no México, no Brasil, no oeste dos Estados Unidos, no leste do Canadá, no norte da Sibéria, no Médio Oriente, no norte de África e no oeste da Antártida.

Portugueses são dos mais informados sobre as consequências das alterações climáticas

Um inquérito conduzido pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) revelou que a população portuguesa se encontra entre as mais informadas acerca das consequências das alterações climáticas, na UE. Ainda assim, os autores destacam que os inquiridos portugueses revelaram algum desconhecimento em relação às possíveis soluções para estes problemas ambientais.

Os dados demonstram que cerca de 71 % dos participantes portugueses selecionou a definição correta de alterações climáticas no inquérito, e que cerca de 79 % se revelaram conscientes de que as principais causas para estas alterações são as atividades humanas, nomeadamente a desflorestação, a agricultura, a indústria e os transportes. Além disso, a maioria dos inquiridos portugueses (80 %) identificaram corretamente os Estados Unidos, a Índia e a China como os principais emissores de gases com efeito de estufa a nível mundial.

Por outro lado, os dados divulgados dão conta de que os participantes portugueses são menos conscientes em relação às soluções para as alterações climáticas do que sobre as suas causas e consequências. “Isto reflete uma tendência mais ampla em toda a UE, com a maioria dos países a receber pontuações baixas nesta área”, lê-se no estudo.

Os autores referem que a maior parte dos inquiridos portugueses desconhecia que a redução dos limites de velocidade ou um melhor isolamento das casas ajudavam a combater as alterações climáticas. De igual modo, a maioria dos portugueses desconhece a existência de emissões significativas de dióxido de carbono relacionadas com a utilização das tecnologias digitais, sendo que apenas 0,3 % sabe que ver menos vídeos online pode ajudar a combater a emergência das alterações climáticas.

Os dados do inquérito conduzido pelo BEI revelaram ainda que os europeus com mais de 30 anos compreendem melhor as causas e consequências das alterações climáticas do que as gerações mais jovens. Os inquiridos com mais de 30 anos também reconheceram de forma mais evidente a importância da reciclagem de produtos, e revelaram um maior conhecimento sobre os benefícios climáticos do isolamento dos edifícios e da redução dos limites de velocidade nas estradas.

O inquérito, divulgado ontem (8), foi respondido por mais de 30 mil participantes em 35 países, incluindo os Estados-Membros da UE, os Estados Unidos, o Reino Unido, Canadá, Japão, Índia e China.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0