fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Lágrimas de crocodilo e o pântano chamado “mais habitação”

Nas Vozes Coletivas de hoje, a Habitação Hoje aborda o novo pacote de medidas para a habitação e o porquê de não estarem pensadas para resolver o problema.

Opinião de Vozes Coletivas - Habitação Hoje!

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O pacote de medidas “mais habitação” fica longe da resolução dos verdadeiros problemas que compõem uma crise no acesso a um direito fundamental. As reações foram imediatas e a contestação veio, principalmente, de quem é proprietário e das instituições que os representam. A balança está desequilibrada. Quem lucra com a habitação queixa-se na mesma proporção em que este problema afecta milhares de pessoas. O Governo repete os falhanços dos últimos anos e espera resultados diferentes. 

Num pacote de medidas que assenta, primordialmente, em conceder benefícios fiscais a proprietários1 que coloquem as suas casas no mercado de arrendamento, apelidar as medidas de “bolivarianas”2, António Costa de “comunista”3, e afirmar que “voltamos ao PREC”4, não deixa de ser irónico. 

Enquanto organização pelo direito à habitação, conhecemos os problemas a partir da base, de quem sofre diariamente com o fiasco das políticas públicas de habitação. Quem recebe o ordenado mínimo e não tem como pagar a renda, quem recebeu a notificação de despejo e não tem alternativa, idosos que têm de escolher entre os medicamentos e a renda, famílias monoparentais que não conseguem garantir aos filhos uma habitação digna, e tantas pessoas que adiam a sua vida por não terem este direito garantido. Estas pessoas não estão contempladas nas medidas e não têm voz no espaço público para o demonstrar. 

O documento que está agora em consulta pública permite-nos, sem esmiuçar todas as medidas, expor algumas conclusões:

A maioria das propostas assenta no incentivo à renda acessível. Importa reforçar a ineficácia desta abordagem, que garante isenção fiscal aos proprietários face a uma diminuição de apenas 20% nas rendas. E se as palavras enganam, as contas não, e podemos ver no mapa o que significa “renda acessível”5. Já temos vindo a expor6, que esta renda não é viável para mais de 70% da população7

Sendo um regime de renda transversal às novas medidas, perguntamos: quem são os agregados que, com os 35% de taxa de esforço necessários para serem elegíveis, conseguem pagar esta renda? São estas as pessoas que têm os maiores problemas no acesso à habitação?

Outra das frentes é o apoio extraordinário ao pagamento das rendas. Quando aplicamos o apoio proposto, para aproximar a taxa de esforço dos recomendados 35%, até uma ajuda máxima de 200€, percebemos o desfasamento entre a realidade e a proposta.

Como é possível ver na tabela, mesmo com o apoio, os agregados ficam muito aquém da taxa de esforço recomendada de 35%. Mais ainda, esta taxa de esforço não tem em consideração as despesas fixas com a habitação, como a água, energia, comunicações, ou despesas base com a alimentação ou com os transportes. Mesmo reconhecendo que todo o dinheiro extra é bem vindo, ignorar estes factores e fixar uma taxa para todos os agregados é condenar milhares de famílias à pobreza. 

A tabela demonstra também que apoiar as rendas, sem as baixar e controlar, não está a resolver o problema e configura uma transferência directa de capital do Estado para os bolsos dos proprietários, sem garantir que as famílias vão ter rendimento sobrante suficiente para uma vida digna.

Outro aspecto relevante é a limitação ao aumento das rendas que pode ter uma nuance positiva, se devidamente regulada: os proprietários deixam de poder fazer um novo contrato com a renda que entenderem, tendo valores limite para o aumento. Se estes valores forem altamente controlados podem evitar despejos por especulação, mas apesar disso é importante perguntar: de que serve vincular novas rendas às rendas proibitivas que temos hoje em dia? Mais uma vez, não estamos a dar resposta a quem mais precisa.

A utilização dos alojamentos devolutos para habitação é o que temos defendido como o caminho mais directo para a resolução do problema. O argumento de que esta crise pode ser resolvida com mais construção cai por terra quando os Censos8 nos dizem que há 723 mil alojamentos vagos e que mais de metade está pronto a habitar ou a precisar de obras ligeiras9

Todas as lágrimas de crocodilo derramadas têm um motivo: a crença de que a propriedade privada é um direito absoluto, intocável e ilimitado, mesmo quando as casas estão vazias há décadas, e que se sobrepõe, sem critério, ao direito à habitação. Pensar a utilização destes imóveis para habitação é mais consequente e ambientalmente sustentável do que construir novo onde não há acesso à saúde, à educação, ao trabalho, à cultura, ao lazer e aos transportes.

No entanto, parece-nos errado o modo como o Governo propõe aplicar esta medida. Em primeiro lugar, parte da vontade dos proprietários de querer arrendar as casas ao Estado; em segundo, é inconcebível pagar ao proprietário uma renda até 10% acima do valor de mercado, isento de impostos; e terceiro, subarrendar a habitação a um agregado que consiga comportar essa renda com 35% de taxa de esforço, o que implica auferir um rendimento muito acima da média. Isto faz-nos retomar a primeira e mais relevante crítica a este pacote de medidas: quem são os agregados que vão beneficiar delas?

Uma leitura transversal permite-nos afirmar que os maiores problemas não estão a ser atendidos! Por isso saímos à rua, pelo direito à habitação e com o mote:  Casas para Viver10, no dia 1 de Abril, no Porto e em Lisboa. 


1https://www.publico.pt/2023/02/20/opiniao/opiniao/habitacao-estado-refem-mercado-2039546
2 https://www.porto.pt/pt/noticia/comunicado-sobre-as-medidas-de-habitacao-do-governo-entre-a-pulsao-bolivariana-perfumada-e-o-voluntarismo-liberal

3 https://www.publico.pt/2023/02/17/politica/noticia/habitacao-montenegro-acusa-costa-revelar-faceta-sobrevivente-comunista-2039430

4 https://eco.sapo.pt/opiniao/o-prec-na-habitacao/

5 https://public.flourish.studio/visualisation/12817222/

6 https://www.youtube.com/watch?v=FncH8eM-ibE&t=64s

https://public.flourish.studio/visualisation/12817435/

8 Instituto Nacional de Estatística - Censos 2021. XVI Recenseamento Geral da População. VI Recenseamento Geral da Habitação: Resultados definitivos.

9 O parque habitacional e a sua reabilitação - análise e evolução 2001-2011. INE, Lisboa. 2013 página 95

10 https://www.habitacaohoje.org/manifesta%C3%A7%C3%A3ocasasparaviver

-Sobre Habitação Hoje-

A Habitação Hoje é uma organização do Porto que luta pelo cumprimento absoluto do Direito à Habitação e para isso trabalha em duas frentes. Nas ruas e nos bairros, junto de quem é mais afectado pela falta de acesso a uma habitação digna e no estudo e desconstrução das políticas que nos trouxeram até aqui.

Texto de Habitação Hoje
Fotografia de Simone Albano
A opinião expressa pelos cronistas é apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

14 Maio 2024

E que a festa dure até às tantas por mais tantos anos

14 Maio 2024

Se eu não gostar de mim, quem gostará?

9 Maio 2024

Acompanhar a política europeia é antecipar aquele que será o nosso futuro

9 Maio 2024

Pelas crianças (algumas)

7 Maio 2024

O futuro da Europa é Social

7 Maio 2024

A Maternidade e os Químicos

2 Maio 2024

Casa arrendada também é lar

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0