Nos meses de junho e julho, a cidade de Lisboa recebe dois eventos culturais destinados à promoção da produção nacional de artes gráficas e visuais. A 5ª edição da Raia, nos dias 26 e 27 de junho, no Núcleo A70, e a 4ª edição da Feira Gráfica de Lisboa, a ocupar os jardins do Palácio Pimenta nos dias 10 e 11 de julho. As duas iniciativas somam mais de 100 projetos editoriais portugueses.

O último fim de semana de junho abre o espaço do Núcleo A70, nos Anjos, para a Raia, uma feira independente que expõe mais de 60 projetos editoriais de ilustração e artes gráficas. Nos dias 26 e 27 desses mês, entre os participantes da feira encontramos os artistas Elias Gato, Mariana Malhão e Carolina Celas, os projetos Imprensa Canalha, O Homem do Saco, Oficina Arara e Oficina do Cego. As editoras Chili com Carne, Serrote, Umbra Edições ou Xerefé, e as publicações da Dois Pontos e Triciclo, também se fazem presentes na Raia, contando ainda com as exposições das obras de Filipe Abranches, Eixa, Ratas Gráfikas e Vendo Oro.

A 4ª. edição da Feira Gráfica de Lisboa acontece nos dias 10 e 11 de julho, e preenche o jardim do Museu de Lisboa – Palácio Pimenta, ao Campo Grande, entre as 11h e as 19h, com o objetivo de relacionar as editoras com outros universos criativos e visuais, da ilustração à fotografia, bem como a jornais, revistas de cultura e publicações independentes. Após uma edição anterior em formato exposição, a Feira Gráfica de Lisboa retoma esta ano o formato presencial ao ar livre, com uma centena de bancas de editoras e novos artistas portugueses. Contamos com a presença de inúmeros coletivos e editoras, como Aicy Ray, Barricada de Livros, Bazofo, Contemporânea, Douda Correria, Edições Outro Modo, Editora Contracapa, El Lanham, Exclamação, Ghost, Giro – Art on Wheels, It’s a Book, Oficina Arara, Oficina Atalaia, Oficina do Cego, Pierre von Kleist, Plataforma Cafuka, Revista Prego, Sismógrafo, Triciclo e Yuna Turva.

A venda de publicações em feira, retomada na quarta edição, inclui também uma programação de lançamentos online, duas oficinas para os mais novos, de participação gratuita, a “Oficina dos Disparates”, por Joana Estrela, e “Chapéls”, por Mariana Malhão.

Texto de Ana Mendes
Fotografias de Filipa Pinto Machado

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.