fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Mais fortes, corajosas e disruptivas: Primavera das Ocupas!

Nas Vozes Coletivas de hoje, o Greve Climática Estudantil Lisboa, reflete sobre o movimento em todo o país.

Opinião de Greve Climática Estudantil Lisboa

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Nesta primavera voltámos a interromper a normalidade e fizemos soar em alto e bom som o alarme de emergência. Num mês onde foram batidos recordes de temperaturas máximas pelo país, o sentido de urgência nunca foi tão imponente.

Centenas de estudantes ocuparam as suas escolas e Universidades para exigir o fim dos combustíveis fósseis até 2030 e 100% de eletricidade renovável e acessível para todas as famílias até 2025. Apelando ainda a que o resto da sociedade, assim como nós, tomasse ação e se comprometesse a parar o crime com as próprias mãos participando na ação Parar o gás dia 13 de maio para parar o funcionamento do porto de Sines. 

Em Novembro de 2022, na primeira vaga de ocupações pelo fim ao fóssil, comprometemo-nos a Ocupar nesta primavera, voltando com “mais força para vencermos, ocupando pelo menos o dobro de escolas/faculdades do que ocupamos este novembro, e comprometendo-nos ainda a que pelo menos uma destas ocupações seja realizada fora de Lisboa, expandindo esta luta urgente e universal ao resto de Portugal.” Levamos a cabo este compromisso e, ao longo de duas semanas, mostramos a resiliência, coragem e criatividade do movimento estudantil por justiça climática. 

Em Portugal, estudantes mobilizaram-se para ocupar e fazer ações disruptivas em 15 escolas e universidades por todo o país (Algarve, Coimbra,Setúbal,Lisboa e Porto) desde 26 de abril até 11 de Maio, bloqueando  o porto de Sines no dia 13 de maio da ação de parar o gás. As ocupações pelo fim ao fóssil ressoaram ainda pelo resto da Europa, onde milhares de jovens do End Fossil Occupy ocuparam mais de 50 escolas e universidades. 

A inação dos governos e instituições e a sucessiva falha na construção de um plano de transição energética justo, compatível com a ciência climática,  está a nos conduzir a passos largos para o colapso climático e civilizacional, negligenciando o nosso direito à vida, à educação e a um futuro. Cabe-nos a nós puxar o travão de emergência e travar o colapso climático. Encaramos esta exigente tarefa que nos foi deixada nas mãos como uma oportunidade para mudar tudo antes que tudo mude por nós. Nesta primavera, voltámos a ocupar com o dobro da força e disrupção, expandindo a luta para fora de Lisboa.  

Fechamos escolas e universidades pela primeira vez em Portugal pelo fim aos combustíveis fósseis, diversificamos as nossas táticas, levámos a luta para fora das escolas, bloqueando ruas para informar as pessoas de como poderiam agir em conjunto com as estudantes que estavam a ocupar, apelando à disrupção para parar a destruição.  No dia 13 de Maio, juntámo-nos a centenas de pessoas no Porto de Sines e parámos o crime do gás fóssil com as nossas próprias mãos. Contudo, ainda não conseguimos que todas as pessoas que queríamos se juntassem a nós para pôr um fim aos combustíveis fósseis. No entanto, não baixemos os braços, pois a complexidade da crise que enfrentamos e a urgência dos nossos tempos requerem  uma resposta igualmente forte e arrojada. Precisamos de toda a sociedade, lado a lado a tomar ação para enfrentar esta crise e aqueles que a perpetuam. 

Ao longo destas semanas, acendemos, com coragem e determinação a chama do movimento estudantil que, assim como a crise climática, não é ignorável. Após duas vagas de ocupações, voltamos a juntar-nos este Verão no acampamento de jovens “Clima Summer Fest” de 30 a 4 de Julho em Leiria, para consolidarmos e fortalecermos o movimento estudantil, para que no próximo ano letivo estejamos ainda mais fortes, organizados, corajosos e resilientes para travar esta crise e construir um mundo novo.

-Sobre Greve Climática Estudantil Lisboa-

A Greve Climática Estudantil Lisboa é um coletivo de estudantes que
luta por justiça climática

Texto de Greve Climática Estudantil Lisboa
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

18 Junho 2024

Tirar a cabeça da areia

18 Junho 2024

O argumento romântico para a participação política

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

4 Junho 2024

Paz

30 Maio 2024

Sem ensaios de ciência: Viagem decisiva – entre ciência e humanidade

30 Maio 2024

Contra os capo regimes em ciência

28 Maio 2024

Discurso de ódio e liberdade de expressão: os pactos inconscientes

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0