fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Mariana Miserável: “Tem acontecido desenhar sobre a vulnerabilidade porque a acho honesta”

A edição 43 da Revista Gerador conta, na sua capa, com uma obra de Mariana Miserável.

Texto de Amina Bawa

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Traduzir os sentimentos através de ilustrações é o trabalho de Mariana Santos, conhecida como Mariana, a Miserável. Nascida em Leiria, escolheu o Porto como nova morada desde 2010, ano em que passou a dedicar-se exclusivamente à ilustração. 

Formada em design gráfico pela Escola Superior de Artes e Design nas Caldas da Rainha, produziu diversas exposições individuais e coletivas, em Portugal e no exterior, trabalhou para grandes marcas, renomados estúdios de design, editoras, lecionou em universidades, foi reconhecida por críticos de arte, além de ser reconhecida na imprensa portuguesa e em publicações internacionais de design.

Convidada para ilustrar a capa da edição 43 da Revista Gerador, conversámos com a artista sobre a sua carreira e sobre os seus processos de criação.

©Fred Gomes

Como Mariana Santos descreveria Mariana, a Miserável?

Descrever Mariana, a Miserável, é descrever o que faço. O nome surgiu a partir de um fanzine homónimo que tinha nos tempos de faculdade. Decidi apropriar-me dele sem pensar bem no futuro, na altura para um blogue e depois para o cartaz da minha primeira exposição a solo há 14 anos. A «miserável» foi ficando e crescendo comigo, acabando também por influenciar a temática dos desenhos e dos projetos mais pessoais. O nome sobreviveu ao tempo (e à minha paciência para inventar respostas criativas sobre ele), mas não é uma marca, não foi marketing, não foi uma estratégia ou um plano muito pensado.

Não sou refém de uma persona nem sinto que tenha de obedecer a uma regra. Embora a coerência não seja algo que almeje, ela acontece porque os riscos vêm todos da mesma mão e é inevitável não passar um pouco de mim.

Por quais caminhos a sua carreira como ilustradora a tem levado?

Por quais caminhos a sua carreira como ilustradora a tem levado?

Ser ilustradora tem-me levado a fazer muitas coisas que não são ilustração, primeiro porque, no início, não existia espaço no «mercado editorial» e, uns anos depois, porque percebi que, afinal, gostava de me desdobrar e experimentar outro tipo de projetos e suportes.

Embora seja muitas vezes associada à palavra ilustração, tenho feito muitas coisas sem pensar em que caixas caibo ou que rótulo lhes dou. Não ser só uma coisa é libertador.

Há beleza nas coisas tristes? Como retratá-las em suas obras?

Desde 2010, entre exposições, comissões e afazeres mais comerciais, têm aparecido desenhos meus com temáticas trágicas, cómicas, trágico-cómicas, pessoas que choram, que caem, que se levantam das mais diversas maneiras, entre o riso e o choro. Tem acontecido desenhar sobre a vulnerabilidade porque a acho honesta. Em 2020, lancei um livro de pessoas a chorar chamado Meninos das Lágrimas, entretanto, também fiz uma série chamada «é preciso imaginar sísifo feliz». A beleza está em tudo, basta estarmos atentos. Eu acho que gosto de procurá-la em sítios menos óbvios.

Conte-nos um pouco sobre o seu processo de criação da imagem que ilustra a capa desta edição.

O tema desta edição não foi, de todo, fácil de ilustrar porque não queria que fosse algo óbvio.

Neste desenho, peguei da ideia da desigualdade, através da diferença de tamanho das personagens, uma não cabe na página e outra é pequena e está a um canto.

Esta ideia de poder é dada pelo sapato que pisa o cachecol da estudante, não permitindo que ela avance, as folhas voam e ela olha para trás com um ar incomodado. Existe violência nesta ação, mas ela é subtil.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0