fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Marta Nunes: «A arte é sempre uma manifestação do espírito do seu tempo»

Uma entrevista à autora da obra gráfica “Esta é a madrugada que esperava’”, originalmente publicada na Revista Gerador 43.

Texto de Amina Bawa

Fotografia da cortesia de Marta Nunes

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Nascida em Lousada, Marta Nunes é formada em Arquitetura pela Universidade da Beira Interior. Durante a sua licenciatura, emergiram suas primeiras incursões na ilustração para publicações.

A ilustradora acredita que a criação de narrativas é alimentada pela riqueza das expressões, das pessoas, dos ofícios tradicionais e encontra inspiração na simplicidade dos objetos do quotidiano e na poesia que permeia o dia a dia.

Desde 2010 apresenta as suas obras em exposições coletivas e individuais, mas, a partir de 2019, que a ilustração tem sido cada vez mais a sua principal atividade, em que o interesse pela tradição e cultura portuguesas marcam alguns dos seus trabalhos.

Para entendermos melhor o percurso de Marta Nunes, a Revista Gerador conversou com a artista para a edição 43.

Em 2024, celebramos os 50 anos da Revolução dos Cravos, um momento marcante para a democracia portuguesa. Como a arte pode ser capaz de manter viva a chama da luta pelos direitos humanos?

A arte é sempre uma manifestação do espírito do seu tempo e se o artista tem como princípio a luta dos direitos humanos, isso será sempre refletido no seu trabalho. Acho que muitas vezes a arte até pode ter um maior impacto na comunicação destas questões com o público em geral, de uma forma mais direta e emocional, por isso, acho que é fundamental para manter a chama e criar o debate.

Como foi a conceção das ilustrações para a Obra Gráfica desta edição da Revista Gerador?

A conceção desta obra gráfica acaba por ser um prolongamento do meu trabalho não só este ano, com as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, mas ao longo destes anos em que a temática é sempre importante de trabalhar. A liberdade na forma como a vivemos e preservamos é um tema que eu acho que deve estar em cima da mesa, e não ter as coisas como garantidas.

Uma mulher no mundo das artes. Ainda temos barreiras e muros para derrubar?

Acho que felizmente temos cada vez mais mulheres no mundo das artes e com muito para dizer. Considero que as barreiras e muros que existem no mundo das artes para as mulheres são iguais aos de qualquer outra mulher que trabalha. A igualdade de direitos tem ainda um bom caminho a percorrer.

É possível traduzir a cultura e as tradições portuguesas através das suas ilustrações?

Sendo portuguesa e tendo um especial interesse pelas tradições portuguesas e cultura, espero que seja possível ver isso nas minhas ilustrações, como quando abordo temas como o desta obra gráfica, os ofícios tradicionais, as obras de Artur Pastor entre outras.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0