No dia 26 de julho, a MASS Lab foi a vencedora do primeiro prémio do Concurso de Ideias para o Monte Pedral, um concurso para o  projeto de habilitação no antigo quartel, localizado na Constituição, no Porto.

Em 2016, Diogo Rocha, Duarte Fontes e Lourenço Rodrigues, formados em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, fundaram a MASS Lab, um escritório de Arquitetura que hoje conta com 18 arquitetos, que vê a área não como “uma questão de estilo ou de forma, mas sim, de adaptabilidade ao contexto e à sociedade”, explica em comunicado, o escritório. A MASS Lab, integra no seu processo criativo uma abordagem inclusiva, nas quais as questões sociais, práticas, económicas e ambientais são fundamentais. “Acreditamos que esta abordagem é essencial para o desenvolvimento de estratégias adequadas a um mundo em constante mudança”. Para além de já contar com colaboradores de 7 nacionalidades diferentes, o escritório de arquitetura já realizou projetos no centro do Porto, residências de estudantes, edifícios de habitação coletiva e urbanizações, tendo sempre como assinatura fazer repensar a cidade e a habitação.

Em abril, a Câmara Municipal do Porto, explicou que o concurso internacional tem por objetivo “auxiliar a Câmara do Porto com um “cardápio de sugestões” que poderão vir a ser integradas no “projeto regulador” para aquela área, onde a autarquia pretende construir entre 370 a 400 fogos, a maior parte com rendas a custos controlados” tal como informou o vereador do Urbanismo, Pedro Baganha. Segundo a Câmara, o projeto tem um custo previsto de 52 milhões de euros, e Rui Moreira, acrescentou ainda a decisão fundamental da instalação de uma residência universitária na frontaria do antigo quartel.

Quanto ao concurso, teria uma duração de 75 dias a partir do dia 12 de abril e pretendia premiar com o valor de 31 mil euros as melhores ideias e foi entregue no dia 26 de julho o primeiro prémio à MASS Lab.

A proposta do escritório recai sobre a construção de um arquipélago no meio da cidade, ou seja, “um conjunto de ilhas urbanas  que estruturam a malha urbana e onde a relação de proximidade prioriza o espaço ‘entre’”, encorajando a variedade de ambientes urbanos combinando “a grande escala com a pequena escala”.

“No modernismo as evoluções tecnológicas e a introdução do automóvel levaram à criação de modelos altamente racionalizados e desconectados da vivência coletiva – típica na cidade tradicional. O Porto não foi exceção e a introdução de novas formas e modelos internacionais em meados do século XX levaram à consequente fragmentação da cidade em sectores habitacionais, completamente desconectados da cidade e da vivência colectiva. O sentido de vizinhança e proximidade com o outro deixa de existir e dá lugar ao individualismo. Contrariar essa tendência é responder com uma proposta que reúna qualidades de várias formas e modos de habitar. Misturar em vez de dividir, diversificar em vez de repetir”, assim explica, em comunicado, a MASS Lab quanto à proposta realizada para o antigo Quartel do Monte Pedral.

Texto de Rita Matias dos Santos
Fotografia de ©MASS Lab

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.