fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

Para ficares a saber mais sobre a obra fotográfica da Revista Gerador 43.

©Pedro Alfacinha

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Natural de Lisboa, Matilde Travassos é uma fotógrafa apaixonada cuja jornada artística a levou a explorar diferentes perspetivas visuais e conceituais pela Europa, tendo iniciado a sua jornada após o mestrado na renomada Speos Paris. Este marco impulsionou a sua carreira e ajudou-a a desenvolver um compromisso com a expressão visual e a narrativa através das lentes.

Vivendo em Londres, teve a oportunidade de imergir profissionalmente na Spring Studios, onde pôde colaborar com alguns dos fotógrafos mais talentosos da capital britânica.

Com um olhar atento e uma sensibilidade artística, Matilde Travassos continua a desafiar os limites da fotografia, explorando novas técnicas e abordagens para traduzir a sua visão pessoal em imagens que inspiram, provocam e encantam.

De volta a Portugal, tem utilizado a câmara como ferramenta para extrair verdades essenciais dos objetos que fotografa. Por conta disto, foi convidada para fazer apresentar os seus trabalhos nesta edição. Aproveitamos para conversar com a fotógrafa sobre as suas inspirações.

« de 4 »

Depois de ter vivido em Portugal, França e Reino Unido como caracteriza a sua visão sobre as verdades que tenta captar através das lentes?

A intuição é a minha única verdade. Talvez a minha experiência no mundo da moda, na França e no Reino Unido, me tenha dado uma capacidade de decisão rápida daquilo que funciona, ou não, para mim. E essa tem sido a minha bússola enquanto fotógrafa: a procura de objetos, lugares ou pessoas que me suscitem interesse.

Como é que o seu trabalho fotográfico está relacionado com a arquitetura e com a museologia?

Na arquitetura e na museologia, áreas sobre as quais me tenho debruçado mais recentemente, encontrei um terreno fértil que conjuga simbolismo e subtileza estética. Talvez por serem lugares cuja conceção está, à partida, intimamente ligada com o cuidado visual e estrutural, eu me tenha sentido inclinada a procurá-los.

Por que razão escolheu fotografar a Biblioteca Nacional para esta edição da Revista Gerador?

A Biblioteca Nacional foi sempre um destes espaços que, intuitivamente, me encantou, não sei se pela sua austeridade, se pelas histórias que contém.

Acredita que uma sinopse pode interferir na forma como as pessoas consomem, interpretam ou absorvem as suas obras fotográficas?

Diria que é extremamente importante notar que, em última instância, a interpretação de qualquer obra é subjetiva e pessoal. E por isso mesmo, sim, acredito que uma sinopse pode interferir. O contexto que o fotógrafo propõe pode alterar totalmente a perspetiva com que várias pessoas sentem e julgam as imagens. A mesma fotografia pode chocar, num determinado contexto, ou passar totalmente despercebida noutro. Vem-me à mente a Sophie Calle, cujos trabalhos são genialmente amplificados pelas suas deambulações autobiográficas e contextuais.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0