O regresso de Tape Junk às edições discográficas aconteceu em Março de 2019 em formato cassete e em todas as plataformas digitais. Os nove temas do álbum foram gravados e misturados em casa por João Correia, entre Janeiro de 2016 e Setembro de 2018. Couch Pop foi escrito sem pressas, fora do ambiente urbano e as músicas estiveram em constante mutação mesmo até ao dia do começo das misturas. Os instrumentos foram todos registados pelo mentor da banda que contou apenas com a participação de António Vasconcelos Dias (Tape Junk, Benjamim, Golden Slumbers) nos sintetizadores. Harry Nilsson, Sly and The Family Stone, Shuggie Ottis e Paul McCartney foram alguns dos nomes que acompanharam o músico no período de criação do terceiro trabalho de originais.

Quando à sua seleção para esta Mescla, disse-nos que: "Ao longo dos anos tenho tido a sorte enorme de poder tocar com artistas que admiro muito e de servir canções que são uma grande inspiração para mim. Escolho as 10 primeiras que me vêm à cabeça sem qualquer ordem específica. Umas já toquei centenas de vezes, outras apenas uma vez. Umas são de artistas com quem toco regularmente, outras aconteceram num só concerto específico. Quando eu já não tiver força para pegar nas baquetas, no baixo ou na guitarra estas canções vão continuar boas de saúde. Algumas vão ser imortais, estou certo disso."

Estas são as 10 escolhas da música portuguesa que o Tape Junk partilhou connosco:

Benjamim, Terra Firme
Bruno Pernadas, Lachrymose
Jorge Palma, Boletim Meteorológico
Sérgio Godinho, Espalhem a Notícia
Frankie Chavez, Double or Nothing
Minta and the brook trout, Family
Nuno Prata, Simplesmente é Isso
Manel Cruz, Ninguém é Quem Queria Ser
Samuel Úria,  Em Caso de Fogo
Márcia, A espera

Fotografia de Cláudia Manuel Silva

Se queres ouvir mais Mesclas da Semana, clica aqui.