Nomes como Batida, Janeiro, Manel Cruz, Maria Reis, Papillon e Sensible Soccers completam o cartaz do MIL – Lisbon International Music Network, que acontece de 25 a 27 de março. No anúncio da sua programação completa, o festival apresenta nesta edição um conjunto de 70 artistas vindos de 19 países diferentes, que se irão espalhar por nove salas de espetáculo da capital portuguesa.

O alinhamento do programa artístico inclui os projectos nacionais Amaura, Aurora Pinho, Batida, Cacique ‘97, Cancro, Castilho, Catarina Munhá, Club Makumba, David Bruno, DJ Marfox, Fado Bicha, Ganso, Janeiro, José Valente, Luís Severo, Manel Cruz a solo, Maria Reis, Marinho, Monday, MURAIS, Papillon, RAY, Sensible Soccers, Sunflowers e Vaiapraia, os brasileiros Black Pantera, Da Matta, Drik Barbosa, Giovani Cidreira, Guitarrada das Manas, Héloa, MC Tha, Patricktor4, Romero Ferro e Trap, Funk & Alívio, os moçambicanos Gato Preto e o músico de São Tomé e Príncipe Norberto Sanches.

A programação do festival conta ainda com os espanhóis Amparito, EJ Marais, Inhumankind, Kenya Racaile, La Tiguerita, Los Sara Fontan, Pinpilinpussies, Rakky Ripper e RomeroMartín, a russa IAN, os belgas Glauque, DTM Funk, Saudade e Susobrino, os franceses ascendant vierge, Bison Bisou, Johan Papaconstantino, Ko Shin Moon, Murman Tsuladze e The Psychotic Monks e o canadiano Flore Laurentienne. Para completar o cartaz final, juntam-se ainda ao cartaz os holandeses Karel e Torii, os alemães People Club, os dinamarqueses GENTS, as britânicas Los Bitchos e BABii, os noruegueses Deathcrush e Oilskin, a mexicana Camila Fuchs, a islandesa dj. flugvél og geimskip, a francovenezuelana La Chica, o libanês Hadi Zeidan e o grupo de Taiwan Huan Huan.

“Com um foco na actual produção musical dos países de língua portuguesa, o programa artístico do MIL dá a conhecer o que de melhor se faz no panorama musical lusófono e internacional, funcionando como uma montra das tendências da música popular”, explica a organização em comunicado. Para tal, o MIL abriu uma open call dirigida a artistas, tendo recebido mais de 950 candidaturas vindas de 72 países diferentes.

Em 2020, são nove as salas de espectáculo e clubes nocturnos do Cais do Sodré que recebem estes artistas: B’Leza, Collect, Estúdio Time Out, Indústria Lisboa, Lounge, Musicbox, Roterdão, Titanic Sur Mer e Sabotage.

Paralelamente ao programa artístico do festival, o MIL apresenta, tal como noutras edições, um programa de convenção dirigido a profissionais das indústrias da música e do sector cultural composto por masterclasses, keynotes, debates e workshops.

Os bilhetes para o MIL, podem ser adquiridos no site oficial, existindo várias modalidades. O Pro ticket custa 70€ até final do ano e dá acesso ao programa PRO, ao espetáculo de abertura e aos concertos. Existe ainda o Gold Festival Ticket que, por 35€, dá acesso ao eseptáculo de abertura, aos concertos e a uma tote bag do MIL. O bilhete mais modesto, o Festival Ticket, dá acesso aos concertos nos dias 26 e 27 de março, tendo um custo de 25€.

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.