fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Mobilidade e bom senso

Nas Gargantas Soltas de hoje, Francisco Ferreira nos traz uma reflexão sobre a questão da mobilidade.

Opinião de Francisco Ferreira

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Em questões ambientais, como de resto em tudo na vida, é preciso ter bom senso. Quando nos apercebemos que é necessário mudar alguma coisa  para tornar a nossa vida mais sustentável, o pior que se pode pedir é querer fazer tudo de uma só vez ou investir tudo numa só opção.

Um  assumido amante de carne virar vegetariano é consideravelmente mais complicado do que esse mesmo indivíduo diminuir gradualmente o consumo de carne de 7 dias por semana para, por exemplo, 2 dias. E essa considerável  diminuição  de 62% — mas não total inibição — do consumo de carne ofereceria uma via ao debutante que não enlouquecer ou desistir do propósito. 

O mesmo se passa com o automóvel, meio anunciado como um símbolo de liberdade e independência. Se pusermos em perspectiva, vemos que, na realidade, isso só seria verdade se houvesse apenas meia dúzia deles a circular pela cidade, pois o carro representa também uma prisão, em custo, consumo e paciência.

Numa altura em que as emissões aumentaram 6,2% relativamente ao período pré-pandemia (1), mais uma vez o bom senso tem de prevalecer. Decidir substituir todos os veículos de motor a combustão ou explosão por outros — novos — de motor elétrico não resolveria os nossos problemas pois implicaria consumir recursos naturais virgens, produzir resíduos e, ainda assim, continuar a sofrer com o trânsito! Além disso, vai desiludir as pessoas que julgam ser essa a melhor solução. 

Qual a solução perfeita? Perfeita não é possível, mas existem maneiras de ir diminuindo progressiva, consistente e eficazmente o problema.

O ideal é uma combinação complementar de diferentes formas de mobilidade, porque as vivências de cada um são também muito diversas  e os seus condicionalismos específicos muito díspares. A título de exemplo, sugere-se:

  • Melhorar os transportes públicos coletivos, em conforto, horários e abrangência, facilitando  o uso de passes intermodais e acessíveis, e instalando vias dedicadas exclusivas, em particular nos troços de vias rápidas em ambiente urbano.
  • Expandir a rede de ciclovias dedicadas, já que a experiência indica que, quanto mais oferta houver, mais usadas são e, ainda assim, apesar de os mais resistentes não aderirem, quanto mais utentes houver, menos veículos a motor circulam. 
  • Restringir a circulação automóvel em todos os locais que disponham de oferta ampla  de transporte público, abrindo apenas corredores de circulação para mobilidade suave ou emergência.
  • Alterar radicalmente a concepção das ligações entre localidades, parques industriais e empresariais, zonas comerciais e de lazer, para permitir que cada um possa escolher o meio de transporte que mais lhe convém. Só assim se disponibilizarão alternativas efetivas e viáveis ao transporte individual motorizado. 

Reflitamos: se mais 20% das pessoas optarem pelo transporte coletivo e 10% pelos meios de mobilidade suave, quão significativa seria a diminuição dos veículos motorizados individuais(2)!

Não existe uma só solução para a mobilidade, existem múltiplos caminhos que almejam o mesmo fim, e todos eles são válidos e complementares. É importante diversificar a oferta para que  possamos adaptar estruturada e consistentemente as nossas rotinas, consoante o que nos seja mais conveniente em acessibilidade, custo e rapidez.

Bom senso e criatividade são necessários, mas mais premente ainda é a capacidade de reverter um caminho que reconhecidamente não resulta e de implementar rápida e radicalmente uma alternativa, com base em já documentadas experiências de sucesso.

  1. ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável
  2. ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável

-Sobre Francisco Ferreira-

Francisco Ferreira é Professor Associado no Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-NOVA) e investigador do CENSE (Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade). É licenciado em Engenharia do Ambiente pela FCT-NOVA, mestre por Virginia Tech nos EUA e doutorado pela Universidade Nova de Lisboa. Tem um significativo conjunto de publicações nas áreas da qualidade do ar, alterações climáticas e desenvolvimento sustentável. Foi Presidente da Quercus de 1996 a 2001 e Vice-Presidente entre 2007 e 2011. Foi membro do Conselho Nacional da Água e do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Atualmente é o Presidente da “ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável”, uma organização não-governamental de ambiente com atividade nacional.

Texto de Francisco Ferreira | Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável
A opinião expressa pelos cronistas é apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

14 Maio 2024

E que a festa dure até às tantas por mais tantos anos

14 Maio 2024

Se eu não gostar de mim, quem gostará?

9 Maio 2024

Acompanhar a política europeia é antecipar aquele que será o nosso futuro

9 Maio 2024

Pelas crianças (algumas)

7 Maio 2024

O futuro da Europa é Social

7 Maio 2024

A Maternidade e os Químicos

2 Maio 2024

Casa arrendada também é lar

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0