Em Estrada Branca, Mônica Salmaso e José Pedro Gil juntam-se para dar voz a temas dos dois pilares da música portuguesa e brasileira: José Afonso e Vinicius de Moraes.

O projeto da autoria de José Pedro Gil, Emanuel de Andrade, Mónica Salmaso, Teco Cardoso, Nelson Ayres e Carlos Tê, formado em 2017, passou, no mesmo ano, pelo Mosteiro de São Bento da Vitória, no Porto, pelo Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra e o São Luiz Teatro Municipal, em Lisboa, onde regressa no dia 8 de julho.

O mês de julho contará ainda com mais dois concertos, no dia 10 de julho na Casa da Música, no Porto, terminando no Castelo do Alandroal, no Alentejo, no dia 19 de julho.

Carlos Tê estará encarregue pela dramaturgia dos novos três espetáculos que resulta de “uma felicidade merecedora de ser estendida no tempo e no espaço”, afirma Tê em comunicado.

Se Vinicius cantava com leveza, José Afonso escrevia sobre liberdade e reivindicava uma revolução. É no encontro de ambas musicalidades que se forja Estrada Branca e o novo álbum gravado ao vivo durante os espetáculos de 2017.

Texto de Rita Matias dos Santos
Fotografia de Estrada Branca

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.