fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

O recém-criado Movimento pela Paridade Política identifica “um claro retrocesso ao nível da representatividade política das mulheres, em Portugal”. O grupo já entregou uma petição ao presidente da Assembleia da República a pedir a revisão da Lei da Paridade.

Texto de Redação

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A Assembleia da República é composta atualmente por 76 mulheres eleitas, o que representa apenas 33% dos assentos parlamentares. Este cenário – resultado das últimas eleições legislativas, realizadas a 10 de março – levou duas investigadoras portuguesas a desafiar um grupo de mulheres académicas, especialistas na área do género e política, a criarem propostas que contrariem esta realidade. Assim nasceu o Movimento pela Paridade Política.

Para as impulsionadoras da iniciativa – Joana Torres, que é também professora universitária, e a psicóloga social Maria Helena Santos –, apesar da conquista de direitos e do aumento na representação numérica das mulheres nos órgãos políticos, a evolução “não é linear, nem tão pouco sustentável”.

Como explicam, a Lei da Paridade, aprovada em 2006, indicava  que as listas eleitorais apresentadas às eleições europeias, legislativas e autárquicas tinham de incluir uma representação mínima de 33,3% de candidatos de cada um dos sexos, não podendo ser colocadas mais de duas pessoas do mesmo sexo, consecutivamente, na  ordenação da lista. Estava, ainda, prevista a aplicação de uma multa aos partidos políticos que  não cumprissem estas condições.

Mais recentemente, em 2019, essa lei foi revista, subindo o limiar mínimo da representação para 40% e impondo a rejeição das listas em caso de incumprimento.

Mas apesar das alterações na lei, este movimento identifica um problema nos  modelos de recrutamento e de seleção dos partidos: “Se, por um lado, invocam ‘supostas dificuldades’ em recrutar mulheres, por outro lado, colocam-nas sistematicamente em  lugares menos elegíveis, isto é, em 3º, 6º, 9º...”, acusam as representantes, num comunicado enviado às redações.

“As mulheres são mais de metade da população e não podem continuar a ser deliberadamente  afastadas dos lugares de decisão política: possuem o mesmo potencial para a assunção de  funções de decisão e de execução de políticas, possuem maiores níveis de escolarização, e têm sido sistematicamente deixadas de parte”, acrescentam ainda.

“Recusamo-nos a aceitar que continuem a colocar nas mulheres o ónus da culpa do seu não envolvimento na política, sob o argumento  de não se adaptarem às estruturas ou não se interessarem pela participação política.”

No último dia 24 de abril, este Movimento pela Paridade Política entregou na Assembleia da República uma petição em que exigem a revisão da Lei da Paridade e dos mecanismos  de garantia da representação equilibrada em razão do sexo, na política.

O grupo quer que o limiar da paridade suba para 50% e que se crie um regime que obrigue à paridade na composição dos governos nacionais, nas  equipas ministeriais, secretarias de Estado e demais cargos de nomeação política.

A criação de uma comissão independente que, a cada quatro anos, apresente ao Parlamento um relatório técnico sobre a implementação e a evolução da referida lei é outra das medidas propostas.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0