fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Na senda de Dêmos / Construção do Dêmos

Nas Gargantas Soltas de hoje, Joana Guerreiro da Silva traz-nos uma reflexão sobre a relação entre construção e território.

Opinião de Joana Guerreiro da Silva

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A curiosidade pelos usos e costumes tem motivado constantes aproximações a amplas valências do povo ao longo dos tempos. Entre desvendar os tempos mais idos e gerar conhecimento sobre a atualidade de uma época ou o documentar de uma realidade passada mas ainda amplamente testemunhável, amarrada pela memória e pelos despojos, várias são as fontes às quais podemos ir beber conhecimento sobre como cá chegámos. Destaque para as Memórias Paroquiais1 - inquérito desencadeado no rescaldo do sismo de 1755 a mando de Marquês de Pombal, que descreve as couzas notáveis da realidade das paróquias portuguesas -, as Cartas Agrícolas dos finais do Século XIX2, conhecidas por Cartas de Pery - levantamento da realidade agrícola onde, além dos usos do solo, podemos observar outras informações como a estrutura fundiária ou a toponímia - e o Inquérito à Arquitetura Tradicional Portuguesa3 - tarefa promovida pelo Sindicato Nacional dos Arquitetos entre 1955 e 1960 com a profunda noção de que é a Arquitetura popular o pano de fundo, resiliente mas não imóvel, sobre o qual decorrem as constantes inquietações das feições eruditas da Arquitetura.

Vários outros, mesmo recentes, ilustram a abrangência e diversidade do que pode ser o estudo do Dêmos4, mas o assunto que vos trago centra-se na articulação entre o território e a construção, entre o lugar e o suporte das funções inerentes à vida.

O passado recente evidencia um período de frequentes ilusões com a inovação e o sentimento de segurança e de evolução que a tecnologia nos tem proporcionado, buscando o aperfeiçoamento e enjeitado a estabilidade resiliente dos costumes, atraídos por um aparentemente tangível e sobranceiro domínio e imunidade sobre a Natureza. 

Por sua vez, a Natureza tem exposto a sua intrépida têmpera a uma escala global mas, contudo, a uma escala mais próxima e muito palpável - como é a construção das nossas casas -  talvez falte ainda interiorizar esta aprendizagem. Estudar o Dêmos, em particular nesta perspetiva, será porventura uma empresa que nos munirá em matéria de respeito e resiliência. No atual contexto de desenraizamento do esteio da vida provinciana, tal não será tarefa sumária. Implicando abarcar uma complexa miríade de fatores segmentáveis como os orográficos, edafoclimáticos, sociais ou económicos, ainda assim a fórmula não é matemática pois, perante tão aparentemente singela realidade, quem a tal se propuser terá de se prover de um persistente e consciente olhar limpo de vícios e preconceitos.

Do observar a placidez, estabilidade, sobriedade, funcionamento e coerência5 da tradição de que há registos ou que ainda nos chega devemos extrair diretrizes para melhor articularmos os nossos habitats com os lugares, conscientes da incontornável necessidade de cooperação com as condições naturais. Temos certamente ainda a possibilidade - apesar de cada vez mais remota - de olhar em volta e procurar modos de restabelecer uma atitude humilde de cooperação com a Natureza6, em que a construção é um - apenas mas muito significativo - dos pilares.

Recentemente tive a oportunidade de calcorrear o concelho de Odemira na mais erudita companhia em busca de património edificado. O tempo curto e a geografia extensa obrigaram a uma triagem que teve por base o cruzamento entre registos e a iminência da perda do património. Facto é que o inexorável - ainda que romântico mas incontornavelmente comovente - abandono subjuga estas construções à sua maravilhosa e quase metafísica capacidade de retorno total e transversal à terra. 

Este pano de fundo de incontáveis vidas que testemunhámos e documentámos veio da própria terra, ancorou-se nos referidos fatores segmentáveis presentes no lugar e contou com a enraizada consciência de que a obsolescência seria demasiado custosa. A isto acrescia a estória, para a qual, mais do que as características do objeto, relevava a identidade de quem o fez com conhecimento e as próprias mãos.  

E tudo isto concretizado com a informalidade dos saberes enraizados na tradição e na transmissão oral, e na empírica experiência e atenta observação do lugar. 

O paulatino e inexorável retorno à Natureza destas construções acontece evidência do desligar da terra e sintomático do desamarrar das memórias. Preterir radicalmente esta aprendizagem aportou ações cujos critérios e expressão no território, na paisagem e no ambiente nos são hoje tantas vezes desconfortáveis - quando não desconcertantes - e cada vez mais auto-flageladores. Cientes de que outras são as demandas atuais, teremos ainda assim algo a aprender com aquele modus ancestral.

________________________________

1  Memórias Paroquiais, ANTT
2 Cartas Agrícolas do Século XIX, DGADR
3  ANTUNES, A. A., GOMES, A. A., MENÉRES, A., FREITAS, A. P., ARAÚJO, A., MARTINS, A. P., DIAS, C. C., CASTRO, C., TÁVORA, F., TORRES, F., AMARAL, F. K., DIAS, F. S., GEORGE, F., MALATO, J. J., LOBO, J. H., PEREIRA, N. T., FILGUEIRAS, O. L., PIMENTEL, L. Inquérito à Arquitetura Tradicional Portuguesa. 3.ª Edição. Associação dos Arquitectos Portugueses, 1988.
 4 Elemento de formação de palavras que exprime a ideia de povo. Fonte: Porto Editora – demo- no Dicionário infopédia da Língua Portuguesa [em linha]. Porto: Porto Editora. Disponível em https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/demo-
 5 Retirado de “Inquérito à Arquitetura Tradicional Portuguesa”
 6 Idem

-Sobre Joana Guerreiro da Silva-

Arquiteta e Agrónoma de formação pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (2009) e pela Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Beja (2022), fez Estudos Avançados em Reabilitação do Património Edificado pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (2010). Interessada por fotografia, documentou os dois últimos anos da obra do Campus Wirtschaftsuniversität Wien de onde resultaram várias publicações em diversos suportes. Colaborou em vários ateliers de Arquitetura e atualmente trabalha como Arquiteta da Divisão de Licenciamento da Câmara Municipal de Odemira, desenvolvendo paralelamente atividade de investigação no âmbito do Património.

Texto de Joana Guerreiro da Silva | ZERO
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

20 Junho 2024

Carta do Leitor: André, cala-te só um bocadinho…

18 Junho 2024

Tirar a cabeça da areia

18 Junho 2024

Carta do Leitor: O argumento romântico para a participação política

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

4 Junho 2024

Paz

30 Maio 2024

Sem ensaios de ciência: Viagem decisiva – entre ciência e humanidade

30 Maio 2024

Contra os capo regimes em ciência

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [para entidades]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0