fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

Entre os dias 23 de maio e 2 de junho, o festival de cinema independente contemporâneo está de volta para a sua 21.ª edição com um número recorde de títulos a concurso na Competição Nacional. Há três estreias mundiais entre as longas metragens e 11 estreias mundiais entre as curtas. Em entrevista ao Gerador, um dos fundadores do festival, Miguel Valverde, e a atual co-diretora, Susana Santos Rodrigues, falam acerca da evolução do evento e sobre o mote para este ano.

Texto de Débora Cruz

Fotografia cortesia do IndieLisboa

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Durante 11 dias o IndieLisboa volta a ocupar o Cinema São Jorge, a Culturgest, a Cinemateca Portuguesa, o Cinema Ideal, o Cinema Fernando Lopes e a piscina da Penha de França para a exibição dos 274 filmes desta edição. Na Competição Nacional, a secção central do festival, contabilizam-se 8 longas metragens e 18 curtas. Em comunicado, a organização destaca alguns títulos.

Entre as longas metragens encontra-se Banzo, de Margarida Cardoso, O Ouro e o Mundo, de Ico Costa, e O Melhor dos Mundos, de Rita Nunes, que são algumas das estreias mundiais do festival. O novo filme de Diogo Costa Amarante, Estamos no Ar, também vai marcar presença no IndieLisboa, acompanhado por nomes como Basil da Cunha, com Manga d’Terra, Margarida Gil, com um filme estreado no Festival de Berlim, Mãos no Fogo, e Leonardo Mouramateus, com Greice. O único documentário da seleção pertence a Dulce Fernandes: Contos do Esquecimento questiona o papel de Portugal no tráfico transatlântico de africanos escravizados a partir de achados arqueológicos recentes em Lagos.

Entre as curtas contabilizam-se 18 títulos a concurso. Em estreia nacional estará o filme de Catarina Vasconcelos, Nocturno para uma Floresta, e Jorge Jácome regressa ao festival com a curta Shrooms, após a sua passagem pelo Toronto 2023. Já Frederico Lobo apresenta Quando a Terra Foge, após a sua estreia na Quinzena dos Cineastas de Cannes. Entre as 11 estreias mundiais, encontram-se títulos como Ensaio e Repetição, de Igor Dimitri, Uma Mãe Vai à Praia, de Pedro Hasrouny, Nunca Mais É Demasiado Tempo, de Bruno Ferreira, e Histórias de Contrabandistas, de Agnes Meng.

O “olhar atento e urgente sobre o mundo” é o mote deste ano, mas Susana Santos Rodrigues confessa que está presente em todas as edições. “É um dos critérios que subjaz à curadoria, em diálogo com tantos outros. Nesta edição, inspirados pelas comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, ganhou um destaque maior e espoletou vários ecos em diferentes secções de forma orgânica”, escreve a co-diretora do evento, em entrevista ao Gerador.

Com a Retrospetiva MFA, mais historiográfica, a organização presta homenagem às Campanhas de Dinamização Cultural e Ação Cívica do Movimento das Forças Armadas, e com a Retrospetiva Kamal Aljafari a organização lança um olhar sobre o presente através de uma homenagem dirigida à obra cinematográfica deste realizador e artista visual palestiniano. De resto, a Palestina é também “território central” num dos “filmes farol” da secção não competitiva inaugurada este ano, Rizoma. “Trata-se do documentário No Other Land, um filme de um coletivo palestiniano sobre a ocupação israelita que causou alvoroço aquando da passagem na Berlinale este ano”, explica Susana Santos Rodrigues. 

“Com a Rizoma quisemos criar uma secção âncora que pudesse ser um porto seguro para o grande público. Queríamos construir um ponto de encontro que não tivesse medo de criar empatia, que trouxesse cineastas de renome, questões relevantes da atualidade ou antestreias”, atesta a co-diretora. Nesta nova secção, o festival apresenta ainda títulos como La Bête, de Bertrand Bonello, e All of Us Strangers, de Andrew Haigh, que será também exibido na sessão de cinema do IndieDate — a experiência de encontros às cegas para cinéfilos.

Mais de duas décadas de “consistência” e de “superação”

Em 2004, o comité de seleção do festival de cinema recebeu 824 filmes. Este ano foram 5689, entre curtas e longas-metragens. “O número de filmes tem sido sempre em número crescente (com quebra durante os dois anos da pandemia, porque necessariamente muitos filmes atrasaram a sua produção). O pós-pandemia fez os números de filmes recebidos crescerem, fruto precisamente dessa retenção”, dá conta o atual coordenador da Competição Nacional e co-fundador do festival, Miguel Valverde, em entrevista, por escrito, ao Gerador.

Com exibições de filmes em cinco secções competitivas (Competição Nacional, Competição Internacional, Silvestre, Novíssimos, IndieMusic e Smart7) e cinco secções não competitivas (IndieJúnior, Director’s Cut, Retrospetivas, Boca do Inferno e Rizoma), o IndieLisboa tem evoluído de forma “consistente e permanente” ao longo dos anos, aufere o co-fundador. Ao mesmo tempo que ter uma equipa “muito coesa” e “constante” permite à organização manter viva a história do festival, as dificuldades sentidas ao longo destas décadas dão à organização a possibilidade de “olhar para o futuro com uma sensação de pés bem assentes na terra”, diz. 

IndieLisboa 2023. Fotografia cortesia da organização do IndieLisboa

“Analisando os últimos 20 anos, as secções têm acompanhado de forma evolutiva a questão técnica e tecnológica do cinema [e] as tendências do cinema contemporâneo não esquecendo a sua história (mantendo a secção fundamental Director's Cut), mas [também] evoluindo em ambição em secções em que o público procura avidamente o IndieLisboa, como o IndieMusic, o IndieJúnior ou a Boca do Inferno”, refere também o coordenador.

O “enraizamento” e a defesa do cinema português 

Um dos aspetos transversais às 21 edições do IndieLisboa tem sido a “preocupação” crescente com a defesa do cinema português, diz Miguel Valverde. O co-fundador salienta que o festival tem sido a “rampa de lançamento” de alguns autores e filmes através da visibilidade concedida. “É preciso lembrar que autores como Leonor Teles, Gabriel Abrantes, João Salaviza, Jorge Jácome, Carlos Conceição, Ico Costa, Mónica Lima, entre muitos outros, apresentaram os seus primeiros filmes no IndieLisboa”, destaca.

O número de títulos nos concursos nacionais permite ao coordenador concluir que o festival já se começa a “enraizar” junto dos produtores e realizadores portugueses. “Esse enraizamento tem sido um trabalho demorado, mas feito com muita confiança da parte de todos. O momento de estreia de um filme, sobretudo no contexto nacional, em que os olhos estão todos postos para quem apresenta novos filmes (ou para quem recebeu apoios que lhe permitiram filmar), é sempre complexo.”

“Cada [artista] quer defender o melhor possível o seu filme e por isso é preciso encontrar os contextos mais adequados para cada um”, salienta Miguel Valverde. É nessa base que o co-fundador acredita que a equipa tem de continuar a trabalhar para mostrar que o cinema português está “forte” e que é bem recebido. “Esse trabalho nunca pára e tem sempre de ser alimentado”, reforça.

O filme I’m not everything I want do be, de Klára Tasovská, sobre a artista checa Libuse Jarcovjáková, vai inaugurar o festival no dia 23 de maio. Já o encerramento, a 2 de junho, vai ser protagonizado por Dream Scenario, de Kristoffer Borgli, uma comédia negra protagonizada por Nicholas Cage.Para além da exibição de filmes, o evento dinamiza outras atividades. Para consultares toda a programação, podes clicar, aqui.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0