fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O futuro da Europa é Social

Ana Madureira fala-nos sobre a política social europeia, à luz do contexto europeu atual e das eleições que se avizinham.

Opinião de Ana Madureira

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Em 2017, três das maiores instituições europeias – a Comissão Europeia, o Conselho da União Europeia e o Parlamento Europeu – firmaram, na cidade sueca de Gotemburgo, um compromisso verdadeiramente histórico: o Pilar Europeu dos Direitos Sociais (PEDS). Este diploma – que emerge por entre os resquícios da Crise da Zona Euro e do Brexit – consubstancia uma declaração de princípios que, ao transpor o domínio meramente normativo (e atendendo às circunstâncias da época), traduzem uma mensagem política poderosa.

De facto, os avanços decorrentes da política social europeia adotada ao longo dos últimos anos foram múltiplos – sobretudo no contexto pós-pandémico. Todavia, importa questionar: poderá esta evolução traduzir-se na confirmação de um caminho de convergência e na garantia mútua de que estamos preparados para, coletivamente, respondermos aos desafios e crises futuras com respostas sociais? 

Num contexto onde os partidos eurocéticos e de extrema-direita protagonizam uma ascensão sem precedentes no palco europeu, é muito provável que, com as eleições europeias que se avizinham, a direita reforce a sua hegemonia no Parlamento Europeu. Para além disso, as sondagens apontam para a eventualidade de a família de extrema-direita europeia – o Identidade e Democracia (ID) – se afirmar como a terceira maior força política. Dependendo da sua dimensão, esta viragem acentuada à direita poderá vir a replicar certas tendências das últimas décadas, como a propensão da direita tradicional para se alinhar com a direita populista e iliberal. Tais circunstâncias poderão, naturalmente, impactar negativamente a trajetória das várias políticas europeias em matéria social.

A tarefa de estruturar e conduzir a complexa interação entre os desafios económicos, as transformações demográficas, as alterações climáticas e as expectativas dos cidadãos (numa arena política instável, sublinhe-se) requer, com efeito, uma abordagem holística e com visão de futuro.

Requer, por exemplo, uma transição verde e digital justa. Note-se que os instrumentos de política social inerentes ao Pacto Ecológico Europeu (2019-2024) referem-se ao PEDS como um guia para a implementação do diploma, mas não estabelecem qualquer vínculo, por exemplo, com a Carta dos Direitos Fundamentais da UE (2000), a Carta Social Europeia (1961), ou as principais Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Para mitigar o impacto negativo da transição digital e ecológica sobre os trabalhadores e as comunidades, é necessário reivindicar políticas com maiores efeitos redistributivos e de proteção social. Isto passa, por exemplo, pela supressão das lacunas existentes na diretiva relativa a salários mínimos adequados na União Europeia, pela implementação de medidas de proteção dos trabalhadores das plataformas digitais (sobretudo os de países terceiros) e por um enquadramento legal do direito a desligar, a nível europeu.

De acordo com uma recente pesquisa do Eurobarómetro, 88% dos cidadãos europeus considera importante, para si mesmos, uma Europa social. Do mesmo modo, cerca de 60% dos inquiridos conhece pelo menos uma iniciativa recente da UE para melhorar as condições de vida e de trabalho. 

Efetivamente, muito foi alcançado na última legislatura: especialmente considerando o âmbito e a escala das crises enfrentadas durante este período. Todavia, subsistem lacunas na legislação por colmatar. O desafio de implementar as várias iniciativas legislativas permanece moroso e complexo, e os atuais progressos na concretização dos objetivos estabelecidos no PEDS têm-se revelado insuficientes.

Os esforços políticos deverão, portanto, redobrar-se na próxima legislatura: para que o modelo social europeu se possa autossuperar e, assim, responder aos desafios sociais emergentes.

- Sobre a Ana Madureira -

Licenciada em Música pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo e mestranda em Ensino da Música na Universidade do Minho. Professora de piano no Ensino Artístico Especializado. Apaixonada por literatura, revelando fortes indícios de bibliomania. Assumidamente democrata, europeísta e de esquerda, faz política nos tempos livres.

Texto de Ana Madureira
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0