O Outono chegou e este ano traz esperança e novidades. Traz insegurança e incerteza. Traz dúvida e novos desafios. Traz tantas emoções como comportamentos únicos. Nunca se viveu um início de Outono assim.

Para as árvores de folha caduca , que nos olham de cima, a vida prossegue normalmente. As folhas virão para o chão, vamos poder pisar e ouvir-lhes o ruído,  sem que a máscara nos voe.

O Outono carrega vigor, regressos, vida activa profissional  ou de estudante, fecho de férias e um arregaçar de mangas revigorante. A diferença é que este ano será um pouco diferente. Há uma incerteza no vento que chega, há uma apreensão mais cinzenta.

É absolutamente imprescindível um encontro connosco, um aproveitar para recolher, um olhar constante pela nossa saúde mental. O peso da resiliência a que temos estado sujeitos vai chegar com este Outono e enquanto as folhas vão caindo, porque é natural, que o nosso olhar não se fixe no chão a olhá-las.

Mudança de estação vai ser agora mudança de comportamentos. É estarmos preparados se olharmos por nós.

*Texto escrito ao abrigo do antigo Acordo Ortográfico

-Sobre Ana Pinto Coelho-

É a directora e curadora do Festival Mental – Cinema, Artes e Informação, também conselheira e terapeuta em dependências químicas e comportamentais com diploma da Universidade de Oxford nessa área. Anteriormente, a sua vida foi dedicada à comunicação, assessoria de imprensa, e criação de vários projectos na área cultural e empresarial. Começou a trabalhar muito cedo enquanto estudava ao mesmo tempo, licenciou-se em Marketing e Publicidade no IADE após deixar o curso de Direito que frequentou durante dois anos. Foi autora e coordenadora de uma série infanto-juvenil para televisão. É editora de livros e pesquisadora.  Aposta em ajudar os seus pacientes e famílias num consultório em Lisboa, local a que chama Safe Place.

Texto de Ana Pinto Coelho
gerador-gargantas-soltas-ana-pinto-coelho