fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Opinião de Shenia Karlsson

O lugar da mulher negra e imigrante nas práticas de ESG em Portugal 

Nas Gargantas Soltas de hoje, Shenia Karlsson nos fala sobre o percurso da mulher imigrante.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Não precisamos de muitas pesquisas para concluir que o mercado da Diversidade e Inclusão e as práticas de ESG nas empresas e instituições em Portugal possui representatividade abaixo do zero quando se trata de profissionais que não sejam mulheres brancas e portuguesas, com vivências extremamente limitadas e “opiniões” questionáveis. Sim, o perigo das “opiniões”  parece ser uma constante nos discursos esvaziados pelo senso comum, pelos vieses inconscientes e os pactos narcísicos quando se discute assuntos tão caros para avanços importantes.

Portugal não é muito diferente do que a onda mundial dos privilégios que vem assolando esse mercado D&EI, o de reduzir o amplo leque de problemáticas e exclusões numa inclusão que pensa em gênero e nada além disso. É um mercado ainda bem patriarcal e com vícios coloniais de difícil flexibilidade, levando em consideração que a “inclusão” de mulheres brancas serve muitas vezes para nada a mais do que a manutenção desse mesmo sistema, e frequentemente de forma estratégica e descarada.

Por essas e outras, mulheres muito competentes, qualificadas, com experiência na área, com conhecimento vasto e um campo experiencial muito amplo que possa oferecer mais possibilidades de se pensar práticas reais e com resultados contundentes, acabam por não serem absorvidas no mercado de D&EI pelo fato de não possuírem a cor certa e a nacionalidade certa. Nesse jogo antigo e insistente, empresas e instituições perdem por não integrar em suas equipes a diversidade real que necessitam para mudanças profundas.

São muitas as desculpas: “procuramos mas não achamos”, “não concordo com cotas pois é uma forma de preconceito” (pasmem, sem ter nenhuma experiência com o experimento), “mas homens brancos também sofrem no trabalho”, “eu como mulher branca também sofro preconceito”. Esse blá blá blá que causa até constrangimento para quem realmente leva o trabalho a sério e com conhecimento de causa. Papo de quem está mais perdido do que elétrico fora de rota.

Eu tenho criticado veementemente e confesso que me assusta ao me deparar com um mercado completamente atrasado e despreparado por questões óbvias que devemos nomear:  o racismo, a xenofobia, o capacitismo, o etarismo e o mais evidente, a má vontade. Os preconceitos  estão a todo o vapor em qualquer área de atuação em Portugal, até onde nem deveria passar na porta. Triste! Em meu trabalho em empresas e instituições enfrento desafios profundos, pois se trata de questionar modos mentais, formas prejudiciais de pensamentos, atitudes adoecedoras e estruturas empobrecidas por velhas lógicas. É como passar mais do que um espanador nos recheios de casa, é preciso jogar fora velhas alegorias e indumentárias. Deixemos as desculpas de lado.

O mercado para mulheres negras e/ou  imigrantes na participação nas práticas de ESG em Portugal é quase inexistente, e é uma pena pois em poucas palavras a diferença que faz na equipe ou nas lideranças é imensa. Sabemos que já existem pesquisas que provam o quão benéfico é possuir diversidade em todos os setores de uma empresa não só em nível de lucros mas com real identificação dos consumidores e a responsabilidade social ética.

É por essas e outras que a brasileira Elisângela Souza lançou em 2022 sua startup de Impacto Social, a IDE Social Hub, uma Social Tech sua que visa transformar empresas e indivíduos na promoção de uma inclusão efetiva. Após várias tentativas de entrada no mercado, situações de xenofobia, racismo e um sentimento de impotência, decidiu ousar e criar seu próprio trabalho. A primeira brasileira, negra e imigrante a fundar uma startup nesse segmento, tem como objetivo ampliar a discussão sobre as práticas nas empresas, incluir pessoas de diferentes etnias, imigrantes, com deficiências e pessoas 50+ nas áreas de tecnologia e digital em Portugal. 

Para tanto, Elisângela utiliza essa plataforma como um espaço em que  profissionais de recursos humanos, lideranças e equipes que atuam em lugares estratégicos possam fazer não só uma interlocução de suas experiências, mas também repensar suas responsabilidades e práticas no dia a dia e finalmente promover formas de contratar colaboradores de grupos excluídos. Para a comemoração do primeiro aniversário da IDE Social Hub, foi realizada em Setembro de 2023 a primeira edição do IDE Insights & Boas Práticas nas Empresas e contou com a presença de lideranças importantes no mercado nacional e internacional. 

Vale ressaltar que Elisângela Souza foi selecionada como a única brasileira  na lista Top 100 Women Leaders in Social Enterprise pela Euclid Network (EN).

- Sobre a Shenia Karlsson -

Preta, brasileira do Rio de Janeiro, imigrante, mãe do Zack, psicóloga clínica especialista em Diversidade, Pós Graduada em Psicologia Clínica pela PUC-Rio, Mestranda em Estudos Africanos no ISCSP, Diretora do Departamento de Sororidade e Entreajuda no Instituto da Mulher Negra de Portugal, Co fundadora do Papo Preta: Saúde Mental da Mulher Negra, Terapeuta de casais e famílias, Palestrante, Consultora de projetos em Diversidade e Inclusão para empresas, instituições, mentoria de jovens e projetos acadêmicos, fornece aconselhamento para casais e famílias inter racias e famílias brancas que adotam crianças negras.

Texto de Shenia Karlsson
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

9 Julho 2024

Sobre a Necessidade (o Dever) de Reconhecer o Estado da Palestina

4 Julho 2024

Exames nacionais? Não, obrigado

3 Julho 2024

Carta do Leitor: Programação do Esquecimento

2 Julho 2024

Mérito, PIB e Produtividade: a santíssima trindade em que temos de acreditar

27 Junho 2024

Carta do Leitor: Assim não cumpriremos abril

25 Junho 2024

A culpa e as viagens

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0