Ontem, dia 3 de Agosto, a Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) anunciou que, “devido a uma rectificação no aviso concursal”, o prazo para entrega de candidaturas nos concursos internacionais, com vista à selecção de direcções de museus e monumentos nacionais abertos em Junho, e com data limite de 31 de Julho, foi prolongado até 10 de Agosto.

Em comunicado, a DGPC refere que esta decisão foi motivada “por forma a privilegiar os princípios da transparência e da segurança jurídica inerentes à atuação da administração”.

A rectificação também se estende ao perfil do/a candidato/a. Agora, é “especificada a exigência de ‘formação pós-graduada nas áreas disciplinares da Museologia, do Património e da Conservação e Restauro'”, cita a agência Lusa.

“Os concursos dizem respeito às direcções do Mosteiro de Alcobaça, do Palácio Nacional de Mafra, dos museus nacionais da Música, do Azulejo, dos Coches (e do seu anexo em Vila Viçosa), às direcções conjuntas do Museu do Chiado/Museu Nacional de Arte Contemporânea e da Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, e do Museu Nacional de Etnologia e do Museu de Arte Popular, assim como para o Museu Nacional do Teatro e da Dança e o Museu Nacional do Traje, em Lisboa”, continua a agência.

No que toca ao Mosteiro da Batalha e ao Convento de Cristo, em Tomar, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, em declarações à agência Lusa, referiu, em Maio, que, uma vez que os directores destas instituições só terminam a comissão de serviço em 2021, os concursos para tais cargos só abrirão nesse ano.

 Sabe mais, aqui.

Texto de Raquel Botelho Rodrigues

Fotografia disponível na página de Facebook do Palácio Nacional de Mafra