Hoje, no primeiro dia do encontro literário Correntes d’Escritas, em Póvoa do Varzim, foi atribuído a Pepetela o Prémio Literário Casino da Póvoa 2020. Este reconhecimento deve-se, particularmente, à obra Sua Excelência de Corpo Presente.

Trata-se de um encontro de escritores de expressão ibérica.”O júri do concurso decidiu distinguir a obra deste autor, de 78 anos, nascido em Benguela, “pela originalidade do estratagema narrativo”, atribuindo-lhe o prémio no valor de 20 mil euros””, escreve a agência Lusa.

O percurso do escritor angolano também passou por Lisboa, onde frequentou o ensino superior. Contudo, devido ao seu exílio na Argélia, completou-o neste país. Em Luanda, a partir de 1984, leccionou na Universidade Agostinho Neto e, desde então, tem desenvolvido trabalho em associações culturais, como a União de Escritores Angolanos e a Associação Cultural Recreativa Chá de Caxinde. Foi o primeiro autor angolano a receber o Prémio Camões, entregue no ano de 1997.

“Em relação às restantes distinções literárias atribuídas pelo Correntes D’Escritas, Ana Sofia Trigo, de pseudómino Jieun, com a obra de poesia “Relógios Parados”, venceu o prémio Papelaria Locus, o trabalho “Tempestade no Rio”, dos alunos do 4.º C da Escola Básica da Venda do Pinheiro, venceu o prémio Conto Infantil Ilustrado/Porto Editora, enquanto “Ala Ala Arriba”, de Álvaro Maio, venceu o prémio Fundação Luís Rainha”, escreve a Lusa.

Para esta 21.ª edição do Correntes d’Escritas, a organização convidou 107 autores de expressão ibérica, de 14 nacionalidades. Portugal conta com Hélia Correia, Afonso Cruz, Ana Luísa Amaral, Ana Margarida de Carvalho, Gonçalo M. Tavares, Isabel Rio Novo, Jaime Rocha, João de Melo, José Gardeazabal, Luísa Costa Gomes, Patrícia Portela, Ricardo Araújo Pereira e Rita Taborda Duarte. Dos países lusófonos, foram anunciados Germano Almeida e Mário Lúcio, de Cabo Verde, Abdulai Silá e Conduto de Pina, da Guiné-Bissau, Hirondina Joshua, de Moçambique, e Manuel Rui e David Capelenguela, de Angola.

Até 23 de Fevereiro, realizar-se-ão 10 mesas redondas, lançamentos de livros, acções de formação, concertos, exposições e visitas a escolas.

Texto de Raquel Rodrigues e Lusa
Fotografia de Syd Wachs, via Unsplash