fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O Quarteto 1111 recorda-se sem censura por Tozé Brito e José Cid

O ano de 2022 será marcado pelo (re)viver das canções do Quarteto 1111. Tozé Brito…

Texto de Patricia Silva

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O ano de 2022 será marcado pelo (re)viver das canções do Quarteto 1111. Tozé Brito e José Cid, membros que fizeram parte da banda, vão editar músicas como "Domingo em bidonville”, “Pigmentação” e “João Nada”, tendo anteriormente sido censuradas no final dos anos sessenta.

"Repescar canções que tinham sido proibidas pela censura.” Foi desta forma que Tozé Brito descreveu o seu propósito assim como o do artista José Cid, à agência Lusa. As canções editadas pelos mesmos ao longo de cinquenta anos integrarão o novo álbum dos artistas.

Tendo sido censurados no final dos anos 1960 e início dos anos 70, "o grupo mais perseguido pela censura, mais maldito, mais ousado: o Quarteto 1111”, viu o seu trabalho a desaparecer na altura do Estado Novo. Agora revisitadas pelos artistas “João Nada”, “Domingo em bidonville”, “Pigmentação”, “o primeiro tema que se escreve em Portugal sobre a xenofobia”, e “Lisboa ano 3000”, “uma visão estratosférica daquilo que será Lisboa ano 3000”, as músicas que assinalaram os anos sessenta e noventa voltam a fazer-se ouvir. “Todo o mundo e ninguém” integrará também o álbum, tendo sido o primeiro tema que os artistas escreveram juntos.

"Com a sonoridade que tinham e a produção que tinham estavam datadas”, os artistas acrescentam ainda que a preocupação, além do seu conteúdo, foi também destacar as vozes. "E depois os arranjos são simples, muito acústicos, com órgão e alguma percussão. Penso que vai ser um álbum muito interessante”, acrescenta Tozé Brito.

O álbum, que, segundo Tozé Brito, deverá ser editado “no verão do ano que vem", “está gravado”, faltando agora "dar pequenos toques e depois misturar e masterizar."

Reconhecendo este trabalho como um “documento importante para a música popular portuguesa”, que recupera “pop criativo, underground, interveniente e crítico do sistema entre 1968 e 1973”, José Cid, reflete o percurso do mundo musical ao longos dos últimos anos.

Os artistas que começaram a trabalhar juntos no Quarteto 111, banda que surgiu na década de 1960, no seguimento do Conjunto Mistério, com José Cid, Michel Silveira e os irmãos Jorge e António Moniz Pereira, cantavam em português, com um repertório feito de êxitos do pop rock e com o recurso a técnicas de gravação que permitiram a sobreposição de instrumentos e de sons.

O primeiro EP saiu em finais de 1967, e apresentava as canções “Os Faunos”, “Gente” e “A Lenda de El-Rei D. Sebastião”. A faceta interventiva da banda revelou-se sobretudo no primeiro álbum, “Quarteto 1111” (1970), que abordava os problemas da guerra colonial, do racismo e da emigração, e que foi rapidamente retirado do mercado pela censura.

Apesar de ao longo da carreira ter editado vários EP e singles, o Quarteto 1111 lançou apenas mais um álbum, em 1974, intitulado “Onde, Quando, Como, Porquê, Cantamos Pessoas Vivas - obra-ensaio de José Cid”, no qual participaram José Cid, António Moniz Pereira, Mike Sergeant (que substituiu Tozé Brito, exilado no Reino Unido) e Vítor Mamede (no lugar de Miguel Artur da Silveira).

Texto de Patrícia Silva e Lusa
Fotografia via Mundo de Músicas
Se queres consultar mais notícias, clica aqui.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

4 Junho 2024

Irene Flunser Pimentel: “o identitarismo é a grande arma da extrema-direita”

28 Maio 2024

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [para entidades]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0