fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Objeção de Consciência

Nas Gargantas Soltas de hoje, Leonor Rosas debate a questão do Serviço Militar obrigatório, da hegemonização da NATO e do clima militarista que vivemos.

Opinião de Leonor Rosas

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O 25 de Abril de 1974 terminou com treze anos de brutal Guerra Colonial que, em três fronts, mobilizou a juventude portuguesa para combater contra a autodeterminação e liberdade dos povos africanos que haviam sido colonizados. Cerca de dez mil jovens portugueses morreram, ao que acrescem perto de vinte mil inválidos, cujas vidas ficaram para sempre condicionadas pelo teatro de guerra. Tantos outros milhares viveram vidas de agonia, atormentados permanentemente pelo stress pós-traumático. Nas antigas colónias, a guerra deixou um rasto terrível de cerca de cem mil civis mortos. A exaustão com esta guerra que rumava contra a corrente da História, somou-se às debilidades da ditadura já decrépita e contribuiu de forma fundamental para o derrube do fascismo em Portugal. Os jovens não queriam mais ir morrer para a guerra, as famílias não aceitavam mais ver partir os filhos para regressarem em caixões e mais nenhum pai ou mãe aguentava a tristeza de, ao ver nascer um bebé rapaz, saber que este acabaria com uma arma na mão. A guerra era assim. Assim é a guerra. Nunca serviu a mais ninguém - a não ser aos mesmos de sempre. Às ditaduras que não abdicam da força com que oprimem os muitos, à grande indústria que vende armas para matar e morrer, aos impérios que se querem estender e estender e aos poderosos que nunca vão parar à frente da guerra. 

Hoje, vinte anos volvidos do fim oficial do Serviço Militar Obrigatório em Portugal, voltamos a deparar-nos com títulos de jornais que agitam a possibilidade do seu sinistro regresso. Jovens - desta vez, homens e mulheres - seriam obrigados a despender de quase um ano das suas vidas, normalmente na altura em que muitos começariam os estudos na Universidade ou as suas vidas profissionais, para servir as forças armadas. Se é verdade que esta proposta representa mais um contratempo absurdo na vida de uma geração para quem o futuro já se parece tão nebuloso, a discussão é mais profunda que essa. 

Há pouco mais de dois anos, a Rússia invadiu a Ucrânia: quase sete milhões de pessoas já tiveram de se refugiar fora do seu país, milhares já morreram e dezenas de cidades foram reduzidas a ruínas. Com esta invasão criminosa, Putin serviu de bandeja às potências ocidentais a oportunidade de reforçar a hegemonia da NATO. Dito e feito. Finlândia e Suécia tornaram-se parte da aliança militar. A hegemonia militarista e o consenso em torno da naturalidade do estado de guerra adensou-se, como provavelmente não víamos desde a infame War on Terror. A NATO apresenta-se, a cada dia, pelos telejornais e notícias, como uma força natural de defesa de supostos valores democrático, como bastião civilizacional e cultural ocidental, face à ideia de uma ameaça do oriente russo e chinês. Nós contra eles, sem compromisso, sem possibilidade de paz ou entendimento. Naturaliza-se o clima de guerra, o medo, a iminência do confronto. De repente, fazem-nos crer que a aliança militar que contribuiu desastrosamente para os conflitos na ex Jugoslávia e no Afeganistão e acolheu como fundador o Portugal de Salazar representa o bom-senso internacional. 

Enquanto isso acontece, assistimos em direto ao genocídio do povo palestiniano. Assassinado, privado de comida, água e cuidados médicos, com o seu território aniquilado. Em Gaza, desde outubro de 2023, mais de 33 mil palestinianos já foram mortos. Não morreram. Foram mortos. Uma diferença verbal que parece faltar a grande parte dos órgãos de comunicação social ocidentais. Já morreram mais crianças em Gaza nestes meses do que em todas as guerras no mundo entre 2019 e 2022. Todos os dias, comentadores, jornalistas e líderes políticos se contorcem em direto nas mais arriscadas posições para justificar o belicismo israelita. Todos os dias ouvimos na televisão: guerra, guerra, guerra. Já não parece significar nada. Líderes europeus como Macron e Tusk apressam-se para insistir nestas seis letras. Jamais as três letras da paz.

Não temos de aceitar o fervor militarista que nos impõem. Em Portugal, não temos de aceitar acriticamente o contágio deste terror que pretende hegemonizar a guerra como constante inevitável. Não abdicamos das nossas vidas para servir, não as colocaremos em pausa para baixar a cabeça, obedecer, fazer continência e aprender o nosso lugar numa hierarquia fictícia sem a questionar. A objeção de consciência é mais do que apenas sobre uma guerra concreta. Ao invés, é a profunda rejeição da disciplina hierárquica que manda morrer, da ideia de povos a digladiarem-se em campo de batalha em nome de impérios, nações e lucros. O imperialismo mata - é essa a história de todos eles. Não obedeceremos a nenhum. Não combateremos por nenhum. Face à ideia de que a guerra é um estado natural, a única resposta é a objeção de consciência à obediência acrítica, à hierarquia, à destruição, à morte. Serviço Militar Obrigatório? Cá estaremos para lhe desobedecer. 

-Sobre Leonor Rosas-

É doutoranda em Antropologia no ICS onde estuda colonialismo, memória e cidade. É licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais na NOVA-FCSH. Fez um mestrado em Antropologia na mesma faculdade. É deputada na AM de Lisboa pelo Bloco de Esquerda. Marxista e feminista.

Texto de Leonor Rosas
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0